Morre, aos 72 anos, Claudio Weber Abramo, ex-diretor da Transparência Brasil; por Valmar Hupsel Filho/O Estado de S. Paulo

Morre, aos 72 anos, Claudio Weber Abramo, ex-diretor da Transparência Brasil; por Valmar Hupsel Filho/O Estado de S. Paulo

Destaque Obituário

Morreu neste domingo, aos 72 anos, o jornalista Cláudio Weber Abramo, vice-presidente da ONG Transparência Brasil, entidade da qual foi diretor-executivo por 15 anos. Ele estava internado no Hospital Samaritano e não resistiu às complicações decorrentes de um câncer. Cláudio Weber Abramo deixa mulher, quatro filhos, seis netos e uma enteada. O corpo será cremado no Horto da Paz.

Bacharel em matemática pela USP e mestre em filosofia da ciência pela Unicamp, Claudio Weber Abramo era uma das principais referências no combate à corrupção e pela integridade das instituições públicas. Foi um dos mais importantes articuladores para a elaboração da Lei de Acesso à Informação (LAI), aprovada em 2011.

Claudio Weber Abramo também foi responsável por ferramentas online pioneiras para que jornalistas pudessem trabalhar melhor com dados públicos, como o Excelências – que reúnde informações sobre a atuação de congressistas e processos na Justiça dos quais são alvo.

A notícia completa está em O Estado de São Paulo.

Uma das fundadoras do Grupo Zaffari, Santina De Carli Zaffari morre aos 102 anos

Uma das fundadoras do Grupo Zaffari, Santina De Carli Zaffari morre aos 102 anos

Agenda Destaque Notícias Obituário

 

Morreu, neste domingo, Santina De Carli Zaffari, matriarca da família Zaffari e presidente emérita do Grupo Zaffari, aos 105 anos. Ao lado do marido, Francisco José Zaffari, Santina fundou o Grupo Zaffari, em 1935, na cidade de Erval Grande, no Alto Uruguai. Conhecida pela determinação, otimismo e religiosidade, Santina dedicou vida aos negócios e a família, formada por 12 filhos, 31 netos e 19 bisnetos.

De acordo com o comunicado da empresa, a matriarca, nascida em Caxias do Sul, “conduzia com sensatez e liderança a família e os negócios que fundou ao lado de seu marido, Francisco José”. Recém-casados, o casal se mudou para Erval Grande, na região do Alto Uruguai.

A partir dos anos 40, o negócio da família se expandiu e iniciaram a distribuição de combustíveis, além de transportar mercadorias para terceiros. Vinte anos depois, Santina, Francisco José e os filhos, que já trabalhavam no empreendimento, chegaram a Porto Alegre e abriram o primeiro atacado. Rapidamente, o comércio se transformou na primeira unidade da rede de autosserviço supermercadista do Grupo Zaffari.

“Para Santina De Carli Zaffari, o pequeno estabelecimento fundado em 1935 era o projeto de vida que permitiria ao casal prover o sustento de sua família. Era também sua convicção que um projeto de vida tem sempre um princípio, uma crença. No caso da família Zaffari, era a certeza de querer servir bem a seus clientes e retribuir o apoio que sempre recebeu da comunidade onde esteve inserida”, diz o comunicado do Grupo Zaffari.

Pelo legado criado por ela e pela família, Santina foi a primeira empresária a receber, em 2005, a distinção Mulher Supermercadista, concedida pela Associação Gaúcha de Supermercados. O velório será realizado no Cemitério Ecumênico João XXIII, em Porto Alegre, a partir das 15h deste domingo. A cerimônia de despedida ocorrerá às 20h. (Correio do Povo)

Morre o jornalista Lucídio Castelo Branco. Testemunha de alguns dos momentos mais difíceis da história política brasileira

Morre o jornalista Lucídio Castelo Branco. Testemunha de alguns dos momentos mais difíceis da história política brasileira

Comunicação Destaque Obituário Poder Política Porto Alegre

Faleceu nesta quarta-feira, aos 91 anos de idade, o jornalista Lucídio Castelo Branco. Nascido em Teresina, Piauí, em 13 de novembro de 1926, Lucídio Castelo Branco morou no Rio de Janeiro de 1939 a 1949, quando veio para Porto Alegre. Gaúcho de coração e por opção, foi presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul (1965 a 1967) e também da Federação Nacional dos Jornalistas (1968 a 1971). Bacharel em Direito pela Ufrgs, Lucídio era jornalista da época em que não era necessário o diploma. Mas deixou para a categoria sua maior conquista: a regulamentação profissional através de negociação com o Ministério do Trabalho. Escreveu sua autobiografia, “Da memória de um repórter” lançado em 2002, no qual relata os principais episódios em 48 anos de trabalho. A obra ainda resgata uma parte da história política vivida pelo jornalista e conta suas experiências em coberturas políticas, sua grande paixão até a chegada da censura nos anos 60 e 70. Leia o perfil de Lucídio Castelo Branco publicado por Coletiva.net, em dezembro de 2007.

A festa dos 90 anos, em 2016, mereceu um relato da jornalista Rosane de Oliveira:

Envelhecer sem rancor

Meu amigo Lucídio Castelo Branco comemorou 90 anos. Com ele aprendi que a lucidez caminha de mãos dadas com o bom humor

Das festas para as quais fui convidada neste ano de 2016, o aniversário do amigo, colega e leitor Lucídio Castelo Branco é forte candidato ao topo do ranking de mais marcante. Ainda faltam dois casamentos de amigos queridos, um no dia 10, outro no dia 17, e o reencontro da minha turma de faculdade, no próximo fim de semana, para comemorar os 35 anos da nossa formatura, mas o aniversário do Lucídio, também conhecido por Castelinho, vai ficar como a festa que valeu por cem livros de autoajuda. Porque fazer 90 anos com saúde, lucidez e bom humor é uma bênção. Impossível não perguntar: qual é a receita?

Lucídio circulou de mesa em mesa. Como não eram muitas e a música não era dessas que ensurdecem os convidados, deu para conversar com o aniversariante, ouvir suas histórias e entender o segredo de envelhecer com dignidade:

– Quero viver enquanto não sentir dor. Quando eu morrer, vocês podem dizer: morreu uma pessoa feliz.

Eis a primeira lição: para viver bem, é preciso não guardar rancor. Lucídio, contam os amigos que convivem com ele há mais tempo do que eu, sempre foi uma pessoa bem-humorada. Passou 10 anos desses 90 cuidando da mulher, vítima de Alzheimer. Foram 67 anos de casamento, três filhos, seis netos e uma bisneta que ela não chegou a conhecer. Morreu faz quatro anos.

Acham que ele se queixa? Não. Com uma ternura incomum, lembra que, no fim, a mulher já não reconhecia ninguém, mas mudava a expressão quando ouvia a voz dele. Foi para casar-se com ela que o jovem apaixonado, nascido no Piauí, trocou o Rio de Janeiro pelo Rio Grande do Sul, aprovado em um concurso do Tribunal de Justiça Militar. Foi aqui que o rapaz enveredou pelos caminhos do jornalismo, seguindo os passos do irmãos, o lendário Carlos Castelo Branco, durante décadas o colunista político mais respeitado do Brasil. Lucídio trabalhou na Folha da Tarde, foi chefe da sucursal do Jornal do Brasil em Porto Alegre, lutou incansavelmente pela valorização da profissão de jornalista e hoje é um atento observador do que acontece no país. Está assustado, mas não se deixa abater. Caçula de uma família de seis filhos, ainda tem três irmãos vivos. A mais velha tem 101 anos e segue lúcida. O segredo? Lucídio ri:

– A fé e os filhos. Minha irmã teve 15 filhos.

Quando o primeiro filho adoeceu, a irmã, muito religiosa, fez uma promessa: se salvasse o bebê, teria tantos filhos quantos deus quisesse. A criança morreu, mas ela cumpriu a promessa do mesmo jeito. Teve outros 14. Essas histórias de família, o Lucídio contou em plena festa de aniversário. Fiz um pedido: que me convide para os cem, daqui a 10 anos. (Com informações da Coletiva.net e Gaúcha/ZH)

Caso Lázaro: Menino de 8 anos foi morto por disparo acidental da arma do pai do amigo, diz delegada; do Diário de Santa Maria

Caso Lázaro: Menino de 8 anos foi morto por disparo acidental da arma do pai do amigo, diz delegada; do Diário de Santa Maria

Crianças Destaque Direito Obituário Segurança

A Polícia Civil de Santa Maria convocou uma coletiva de imprensa na tarde desta sexta-feira para dar detalhes da investigação da morte do menino de 8 anos Lázaro Augusto Fernandes Peres, 8 anos (foto ao lado), encontrado morto no pátio em frente à casa de um amigo, no dia 19 de junho deste ano, no Bairro Caturrita. O menino tinha marcas de disparo de arma de fogo em um dos olhos.

Conforme a titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), Luiza Santos Sousa, que esteve à frente da investigação, Lázaro foi morto por um disparo acidental, efetuado com a arma do pai de seu amiguinho, que tem 9 anos. Inicialmente, o menino havia dito à delegada que Lázaro chegou já ferido no local, pedindo por socorro. O amigo teria aberto a porta da casa e perguntado o que havia acontecido, quando Lázaro caiu. Entretanto, em um novo depoimento, o menino confessou ter disparado por acidente, enquanto tentava mostrar a arma para o amigo. A reportagem completa está no Diário de Santa Maria.

Aos 66 anos, morre o cantor e compositor Talo Pereyra. Músico estava internado com problemas respiratórios há cerca de um mês

Aos 66 anos, morre o cantor e compositor Talo Pereyra. Músico estava internado com problemas respiratórios há cerca de um mês

Cultura Destaque Música Obituário

Morreu nesta na tarde desta segunda-feira o cantor e compositor Talo Pereyra. O músico, de 66 anos, estava internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Conceição, em Porto Alegre, desde maio, com problemas respiratórios, dependendo de ventilação mecânica. Informações sobre o velório do artista ainda não foram divulgadas.

Argentino radicado no Rio Grande do Sul, Raul Eduardo Pereyra se tornou um dos principais nomes da música regionalista, vencendo 39 festivais durante sua trajetória musical. Ele também participou de grupos como Os Tropeiros do Ibirapuitã, ao lado de Leopoldo Rassier e José Cláudio Machado.

Morre ex-vereador de Porto Alegre Artur Zanella. Corpo vai ser velado na Câmara de Vereadores; por Guilherme Kepler/Rádio Guaíba

Morre ex-vereador de Porto Alegre Artur Zanella. Corpo vai ser velado na Câmara de Vereadores; por Guilherme Kepler/Rádio Guaíba

Cidade Destaque Obituário

Morreu em casa, neste sábado, vítima de infarto, o ex-vereador de Porto Alegre Artur Zanella, de 77 anos. Conforme o presidente da Câmara Municipal, Valter Nagelstein (MDB) o corpo de Zanella vai ser velado a partir das 16h de hoje, na sede do Legislativo.

Zanella passou por legendas como PDS, PFL e PDT entre o fim dos anos 1980 e o início dos 1990. Considerado um dos principais responsáveis pela criação do bairro Restinga, na zona Sul da Capital, ele também presidiu do Departamento Municipal de Habitação (Demhab) e ocupou as secretarias municipal de Transportes e estadual de Planejamento.

Morre MUTUCA um dos grandes do rock gaúcho

Morre MUTUCA um dos grandes do rock gaúcho

Destaque Obituário

O roqueiro Mutuca, precursor do rock gaúcho, mais de 50 anos de carreira morreu nesta madrugada devido a um infarto. Aos 71 anos, Carlos Eduardo Weyrauch, o Mutuca, era um dos roqueiros mais longevos em atividade no Rio Grande do Sul. Estreou em 1967 em Caxias do Sul como “bandleader” da banda Alphagroup, participando do florescimento do rock feito nestes pagos por grupos lendários como Liverpool e Bixo da Seda. Com nove anos de idade (1955), presenciou os primeiros passos do rock’n’roll em Porto Alegre com a chegada dos discos 78 rotações e do Long Play de 10 polegadas, de Bill Haley & His Comets e do Rei Elvis Presley. Um ano depois, canta Tutti-Frutti, do Little Richard, no aniversário de um vizinho. Nas décadas seguintes, teve bandas com Cláudio Vera Cruz, Flávio Chaminé, Giba-Giba, Cláudio Levitan, Bebeco Garcia, Léo Ferlauto, Fernando Pezão e outros grandes músicos. Em 1991 fundou a antológica “Mutuca e os Animais”. No ano de 1999, a banda conquistou indicação ao Prêmio Açorianos com o CD Hot Club (Barulhinho), contando com Paulinho Supekovia (guitarra solo), Sérgio Stoch (teclados), Lúcio Vargas e Duda Guedes (bateria). Desde então, Mutuca tem se apresentado com novas formações em locais como o Believe Studio, na capital, e o Cult Café, em Rolante, além de ter feito o show de abertura de Jerry Lee Lewis no Pepsi On Stage em 2009.  Mutuca mantinha o blog HOT CLUB, no portal do NH.

Foi meu colega muito tempo na Band RS, onde apresentava todo sábado,  o Hot Club do Mutuca, na Ipanema 94.9 FM,   Não há ainda informações sobre velório e atos fúnebres.

RIP MUTUCA !!!

 

Eunice Gayson, a primeira bond girl dos cinemas, morre aos 90 anos; por Pedro Vieira/Observatório do Cinema

Eunice Gayson, a primeira bond girl dos cinemas, morre aos 90 anos; por Pedro Vieira/Observatório do Cinema

Agenda Cultura Destaque Obituário

Nós estamos muito tristes em saber que Eunice faleceu no último dia 8 de junho. Uma dama incrível que deixou uma grande impressão a todos que a conheceram.

landscape-1528557264-eunice-gayson-696x348Ela será lembrada” diz a declaração oficial do Twitter. Na série 007, Gayson interpretou Sylvia Trench em dois filmes da franquia: 007 contra o satânico Dr. No e Moscou Contra 007.

Ela se aposentou em 1972, mas sempre foi lembrada pelos fãs. Sua filha chegou a aparecer em uma cena em 007 GoldenEye.

Gayson também ficou popular por ter interpretado Frau Schrader na versão para teatro de A Noviça Rebelde. Ela tinha 90 anos.

Maior vencedora do tênis nacional, Maria Esther Bueno falece aos 78 anos; do Lance

Maior vencedora do tênis nacional, Maria Esther Bueno falece aos 78 anos; do Lance

Destaque Esporte Obituário
Atleta mais vitoriosa da história do tênis brasileiro, Maria Esther Bueno faleceu nesta sexta-feira, aos 78 anos, vítima de um câncer. Ela estava internada no Hospital Nove de Julho, em São Paulo, e não resistiu a um câncer na boca, descoberto no ano passado.

Maria Esther conquistou 19 títulos de Grand Slam na carreira – sete em simples, com quatro troféus do US Open e três de Wimbledon. Em 1960, a ex-tenista entrou para a história ao se tornar a primeira mulher a faturar os quatro Grand Slams nas duplas em um mesmo ano.

A brasileira entrou no Livro dos Recordes por ter conquistado o triunfo mais rápido da história, na final do US Open de 1964, ao vencer a americana Carole Caldwell Graebner. Na ocasião, Maria Esther venceu a oponente em apenas 19 minutos de partida. (Lance)

Escritor norte-americano Philip Roth morre aos 85 anos

Escritor norte-americano Philip Roth morre aos 85 anos

Destaque Obituário

O escritor norte americano Philip Milton Roth morreu nesta terça-feira (22), aos 85 anos. Vencedor do prêmio Pulitzer, Roth é um romancista associado pela sua educação e temática literária à comunidade judaica. É considerado um dos maiores escritores norte-americanos da segunda metade do século XX. É conhecido sobretudo pelos romances, embora também tenha escrito contos e ensaios.

Entre as suas obras mais conhecidas encontra-se a coleção de contos “Goodbye, Columbus” (1959), a novela “O complexo de Portnoy” (1969), e a trilogia americana, publicada na década de 1990, composta por “Pastoral americana” (1997), “Casei com um comunista” (1998) e “A mancha humana”. (G1)