Porto Alegre: Corrida Contra o AVC reúne mais de 500 participantes

Porto Alegre: Corrida Contra o AVC reúne mais de 500 participantes

Cidade Destaque Esporte Saúde

O que são chuva forte e vento gelado em uma manhã de fim de semana para quem já superou dois acidentes vasculares cerebrais e, aos 72 anos, esbanja alegria de viver? “É ainda mais motivação para superar desafios e correr por uma vida saudável”, responde o aposentado João Guedes. Ele foi um dos mais de 500 participantes da 4ª edição da Corrida Contra o AVC, realizada no Parque da Redenção, na Capital, neste sábado (27).

 

43719099_1800670163388678_5913294776811126784_n
Dona Edi Foto: Cleber Bertoncello

Com apoio do Hospital Moinhos de Vento, uma das instituições de referência no Brasil no atendimento a vítimas da doença, a ação promovida pela Secretaria Municipal de Saúde busca conscientizar e informar a

população sobre fatores de risco, sintomas e formas de lidar. A iniciativa também marcou o Dia Mundial de Combate ao AVC, celebrado nesta segunda-feira (29), e integra a campanha apoiada nacionalmente pelo Moinhos e que ocorre em mais de 100 cidades brasileiras.

Dentre os principais sintomas e fatores de risco ao AVC estão: pressão alta, diabetes, colesterol elevado, arritmia cardíaca, fumo, obesidade, sedentarismo e alimentação inadequada. Embora a faixa etária que registre mais casos é a acima dos 65 anos, a doença pode atingir até mesmo crianças.

44919992_190209768576448_7042799110402867200_n
Seu João Foto: Cleber Bertoncello

Tendo um percurso de cinco quilômetros para a corrida e três para a caminhada, sendo ambos os trajetos dentro do Parque da Redenção, a Corrida Contra o AVC reuniu gente de todas as idades. O primeiro a chegar, por exemplo, foi Matheus da Silva, de 18 anos, que sonha em ser corredor profissional. Já a pessoa de mais idade a participar foi a aposentada de Esteio Edi Menezes da Costa, 78 anos. “Corro há 15 anos. Fui olhar uma corrida e me apaixonei. Às vezes, os mais jovens não querem fazer nada, mas tem de se mexer sim”, ensina a atleta, que já disputou inclusive maratonas, em que o percurso é de 42 quilômetros.

 

44929519_2075888099100021_6164362355728711680_n
Dr. Sheila Martins, neurologista do Moinhos. Foto: Cleber Bertoncello

Eleita este mês vice-presidente da World Stroke Organization, a organização mundial de AVC, e presidente da Rede Brasil AVC, Sheila Martins enfatiza a importância de eventos como a corrida deste sábado. “Mais de 90% dos casos podem ser prevenidos se as pessoas conhecerem os seus fatores de risco, mas o AVC ainda é uma doença desconhecida. Saber reconhecer os sinais de alerta e chamar rapidamente o socorro pode salvar uma vida ou, pelo menos, diminuir as sequelas. Por isso, chamar a atenção, divulgar e informar as pessoas é tão importante, além da prática de exercícios diminuir os riscos”, explica a neurologista, uma das maiores especialistas mundiais na área.

Para demonstrar a importância e o impacto da doença, ela aponta alguns dados e números preocupantes: são cerca de 400 mil casos de AVC por ano no Brasil, sendo que mais de um quarto desses pacientes acaba morrendo. Somente no Rio Grande do Sul, aproximadamente 8 mil pessoas morrem todos os anos vítimas de acidente vascular cerebral.

Sheila Martins, contudo, destaca que quase 80 milhões de pessoas no mundo são sobreviventes da doença e “precisam de suporte da família, dos amigos e das instituições para que possam melhorar e se reintegrar à sociedade”.

Avanços e inovações em Cardiologia serão debatidos hoje no Hospital Moinhos de Vento

Avanços e inovações em Cardiologia serão debatidos hoje no Hospital Moinhos de Vento

Cidade Comunicação Destaque Educação Notícias Porto Alegre Saúde Trabalho

Hoje o Hospital Moinhos de Vento promove a atividade “Inovações trazendo soluções: onde estamos e para onde vamos?”. A partir das 19h30, especialistas da instituição e de outros hospitais de referência no Brasil vão abordar a importância das novidades na área da Cardiologia. O evento marca oficialmente a chegada do segundo angiógrafo ao Moinhos de Vento. Desde 16 de maio, o Hospital conta com um equipamento de última geração importado da Alemanha, atualizando, dessa forma, seu parque tecnológico. O investimento no aparelho, na ordem de R$ 1,5 milhão, possibilita a realização de procedimentos diagnósticos e terapêuticos em maior escala e com melhor qualidade em pacientes com doenças cardíacas e vasculares.

Durante a programação científica, serão discutidos temas relacionados a procedimentos e tipos de patologias passíveis de serem conduzidas na Unidade de Angiografia Cardiovascular, entre os quais, novas técnicas e indicações na cardiologia e radiologia intervencionista.

Voltado especialmente para médicos cardiologistas, clínicos, de terapia intensiva, de emergência e subespecialidade de radiologia intervencionista, o simpósio será realizado no Anfiteatro Schwester Hilda Sturm (acesso pelo Bloco C – Rua Ramiro Barcelos, 910 – 4° andar).

Programação

19h: Recepção

19h30

Intervenção em Cardiopatia Estrutural: Estado Atual e Perspectivas Futuras

Palestrante: Fabio Sandoli de Brito Jr., professor livre docente da Universidade de São Paulo (USP), coordenador do Núcleo de Intervenção em Cardiopatia Estrutural do Incor (Instituto do Coração) e cardiologista intervencionista no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Debatedores: Marco Vugman Wainstein e Rogério Sarmento Leite, médicos do Serviço de Cardiologia do Hospital Moinhos de Vento

20h10

Marcapasso do Sistema His Purkinje

Palestrante: André D’Ávila, diretor do Serviço de Arritmia do Hospital S.O.S Cárdio, de Florianópolis (SC)

Debatedores: Leandro Ioschpe Zimerman r Carlos Antonio A. Kalil, médicos do Serviço de Cardiologia do Hospital Moinhos de Vento

20h50

Inovações em Radiologia Intervencionista

Palestrante: Leandro Scaffaro, médico radiologista Intervencionista do Hospital Moinhos de Vento

Saúde: Notificação obrigatória de casos de câncer e malformação congênita vai à sanção. proposta que obriga o registro foi aprovada hoje no Senado

Saúde: Notificação obrigatória de casos de câncer e malformação congênita vai à sanção. proposta que obriga o registro foi aprovada hoje no Senado

Destaque Poder Política Saúde

A matéria foi relatada na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) pelo senador Waldemir Moka (MDB-MS), que apontou o câncer como a segunda maior causa de mortalidade no Brasil, responsável por cerca de 15% dos óbitos anuais. Daí a importância de se estabelecer medidas e políticas públicas voltadas ao rastreamento e tratamento desse conjunto de doenças e à reabilitação dos pacientes.

O projeto, segundo ele, permitirá identificar gargalos de assistência, diagnóstico, tratamento e prevenção da doença, bem como estabelecer dispositivos técnicos para o efetivo cumprimento da ‘Lei dos 60 dias‘:

— Este projeto obriga tanto na rede pública quanto privada que, uma vez feito o diagnóstico, seja obrigatório o hospital, o médico ou a clínica comunicar à autoridade aquele diagnóstico. Isso vai facilitar o acompanhamento para que esse tratamento comece em no máximo em 60 dias — apontou Moka.

O texto original tratava apenas da notificação obrigatória de eventos relacionados ao câncer, mas a sua tramitação em conjunto com outros projetos resultou na aprovação, pela Câmara dos Deputados, de um substitutivo que incorporou também a comunicação compulsória de malformações congênitas.

A Presidente voluntária da Femama e Imama e chefe do Serviço de Mastologia do Hospital Moinhos de Vento, Maira Caleffi comemorou a aprovação do projeto:   “Estou muito feliz. Isso, com certeza vai diminuir as taxas de mortalidade no Brasil.Saberemos quem são os pacientes, como estão sendo tratados e onde o atendimento tem que ser melhorado.”

Dado Bier presidirá Conselho de Administração do Hospital Moinhos de Vento

Dado Bier presidirá Conselho de Administração do Hospital Moinhos de Vento

Negócios Notícias Saúde

O empresário Eduardo Bier Corrêa (Dado Bier), assumirá em março, a presidência do Conselho de Administração da Associação Hospitalar Moinhos de Vento. Ele substituirá José Adroaldo Oppermann no comando do colegiado formado por cinco associados a quem cabe traçar as diretrizes estratégicas para a Instituição. Segundo Dado, o Conselho que é responsável pela indicação do Superintendente Executivo, já definiu que Fernando Andreatta Torelly, será mantido na superintendência-executiva do Hospital Moinhos de Vento.

Entre as metas do Hospital Moinhos de Vento está a conclusão do novo Centro de Oncologia, o mais moderno do Sul do país e um dos principais centros de referência no tratamento do câncer. O núcleo, que entrará em funcionamento a partir de março de 2016, será o primeiro a oferecer a tecnologia TrueBeam, equipamento desenvolvido para tratar tumores com grande precisão e rapidez, com radioterapia e radiocirurgia avançadas guiadas por imagem. Com o investimento estimado em mais de R$ 30 milhões, o Hospital vai disponibilizar os melhores recursos médico-assistenciais e tecnológicos para o diagnóstico e tratamento da doença.

A nova unidade contará com o apoio do Instituto Ling, que há mais de 20 anos contribui na transformação da sociedade brasileira e colabora com a melhoria da qualidade de vida tanto em áreas como educação, cultura e agora em saúde. A homenagem à Lydia Wong Ling para o novo centro de oncologia é um reconhecimento ao trabalho voluntário da matriarca da família ao longo de mais de três décadas, especialmente na Liga Feminina de Combate ao Câncer no Rio Grande do Sul.

Outro objetivo é o término do novo prédio que atenderá 100 pacientes por convênios e particulares. A nova unidade que está em construção será dividida em Internação, Centro de Terapia Intensiva Adulta e Centro de Terapia Hematológica (especializado no tratamento de doenças oncohematológicas). A construção de oito andares e com área total construída de 9.300 m² gera 500 empregos e beneficiará três mil pacientes por ano. A previsão é de que a obra localizada na Rua Dr. Vale seja concluída até a metade de 2017.

 

Nasce em Porto Alegre o segundo neto de Dilma

Nasce em Porto Alegre o segundo neto de Dilma

Notícias

A filha única da Presidente da República, Dilma Rousseff, deu à luz na manhã desta quinta-feira a Guilherme. O bebê nasceu no Hospital Moinhos de Vento, em uma cirurgia de cesariana, próximo das 07hs. A presidente Dilma já determinou o bloqueio de sua agenda e se desloca agora pela manhã para Porto Alegre onde deve permanecer até amanhã ao lado da filha e dos netos Gabriel e Guilherme.

Saúde: Ampliação do Moinhos de Vento pode aumentar recursos para o SUS

Saúde: Ampliação do Moinhos de Vento pode aumentar recursos para o SUS

Cidade Notícias Poder Política Saúde

O Hospital Moinhos de Vento realizou hoje o lançamento do projeto de ampliação de suas dependências. A direção da instituição assinou o contrato com a construtora que vai executar a obra do novo prédio, com 100 leitos divididos em unidades de internação, Centro de Terapia Intensiva e Centro de Terapia Hematológica. Em três anos, o hospital pretende ampliar em R$ 20 milhões os recursos repassados anualmente ao fundo do SUS. Na solenidade, que marcou também a comemoração dos 88 anos do hospital, o superintendente executivo, Fernando Andreatta Torelly apresentou o projeto da obra, que ficará localizada na rua Dr. Vale, junto ao complexo do Hospital Moinhos de Vento. Com 9.300 metros quadrados e investimento de R$ 55 milhões, a nova unidade vai empregar 500 novos colaboradores e beneficiar três mil pacientes por ano.

O prefeito José Fortunati destacou que, apesar de ser um empreendimento voltado para pacientes de convênios, a saúde pública também será beneficiada. “Hoje o problema da superlotação não imagem146664atinge apenas o SUS, mas também os hospitais privados. São 100 leitos que irão absorver parte da demanda que vai parar na rede pública devido à grande procura pelo sistema como um todo. Ou seja, irão desafogar o SUS, garantindo oferta maior de leitos aos cidadãos que mais precisam e não tem acesso aos convênios”, afirmou o prefeito.

As obras iniciam ainda neste mês e a previsão é que o prédio fique pronto em 18 meses. Além de ajudar a desafogar a demanda no SUS, a direção do hospital acredita que em até três anos, os R$ 50 milhões repassados anualmente pela instituição ao Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS) salte para R$ 70 milhões. A construção do complexo hospitalar Restinga e Extremo Sul, que atende 100% SUS, se deu com esses recursos. “O Moinhos de Vento tem sido um grande parceiro da prefeitura na missão de levar saúde pública de qualidade às comunidades mais carentes da cidade. Com vontade e ousadia, continuaremos avançando juntos para atender cada vez mais pessoas pelo SUS com a excelência dos melhores hospitais do mundo”, concluiu Fortunati.

Criada em 2009, pelo Ministério da Saúde, a iniciativa é realizada em parceria com instituições de excelência e tem como objetivo principal desenvolver novos modelos que sejam capazes de auxiliar no fortalecimento e qualificação do SUS no país.

O presidente do Hospital Moinhos de Vento, José Adroaldo Oppermann, recebeu os convidados para a cerimônia de assinatura do contrato. Além do prefeito, os secretários estadual, João Gabardo, e municipal de Saúde, Fernando Ritter, também participaram do evento.