Porto Alegre, segunda, 24 de janeiro de 2022
img

Instituições respondem com 'luvas de pelica' a risco de Bolsonaro à democracia, diz cientista político; BBC Brasil

Detalhes Notícia
Direito de imagemREUTERS

O cientista político Sérgio Abranches vem defendendo nos últimos anos que o impeachment é um “processo traumático” e uma “ruptura política grave” na jovem democracia do país, e também sintoma das disfunções do nosso modelo político — um presidencialismo multipartidário fragmentado, que exige do Planalto uma grande esforço para cultivar uma coalizão no Congresso; e um federalismo com forte concentração de poder pelo governo federal.

Como destaca em seu livro Presidencialismo de coalizão – Raízes e evolução do modelo político brasileiro (Companhia das Letras, 2018), dois impeachments em 30 anos colocam em dúvida “se é possível falar num regime institucional totalmente funcional”.

Ainda assim, diante de dezenas de pedidos de impeachment que já se acumulam na Câmara contra um novo alvo sentado na cadeira da Presidência, Abranches diz à BBC News Brasil que um processo para retirar Jair Bolsonaro é necessário, pois seu governo é, ele próprio, “uma ruptura indesejável para a democracia brasileira”.

“É isso que faz toda a diferença: nem Fernando Collor nem Dilma Rousseff investiram contra a democracia. Na verdade, eles respeitaram muito a regra do jogo”, afirmou em entrevista por telefone no último dia 11, referindo-se aos ex-presidentes brasileiros que foram vítimas de impeachments.

Leia mais em BBC Brasil