Porto Alegre, quarta, 25 de maio de 2022
img

Bolsonaro fecha associação de militares por “atividades típicas de sindicato”; Fórum

Detalhes Notícia
Outras seis são alvo de IPM (Inquérito Policial Militar) por parte da AGU, comandada por André Mendonça. André Mendonça e Jair Bolsonaro Foto:Isaac Amorim/MJSP)

 

 

A AGU (Advocacia-Geral da União), comandada André Mendonça, enviou documento à Procuradoria-Geral de Justiça Militar onde acusa sete associações de militares de “desenvolvimento de atividades típicas de sindicato”, algo que é vedado por lei.

A partir daí, de acordo com a coluna de Chico Alves no UOL, o Ministério Público Militar determinou a abertura de IPM (Inquérito Policial Militar) para apurar o fato.

Em um dos casos, o da Amfaesp (Associação de Militares das Forças Armadas do Estado de São Paulo), a AGU posicionou-se diretamente à Receita Federal pela “ilegalidade” e “inconstitucionalidade” A Receita acatou a reclamação e anulou o CNPJ da entidade, sem passar por processo judicial.

Adão Farias, sargento da Aeronáutica da reserva e diretor da Amiga (Associação de Militares Inativos de Guaratinguetá e Adjacências), um dos alvos da AGU, afirma: “Bolsonaro sempre se elegeu defendendo o direito dos militares de baixa patente e, agora que é presidente, seu governo quer punir as associações que representam justamente esse grupo”.

Leia mais em Revista Fórum