Porto Alegre, sexta, 19 de agosto de 2022
img

Francisco Bosco: 'O ódio é a própria matéria-prima de que foi feito o Brasil'; Deutsche Welle

Detalhes Notícia
Em novo livro, filósofo Francisco Bosco esmiúça as fraturas do Brasil. À DW, ele aponta que sempre houve um ódio social latente e analisa o papel tanto do olavismo quanto da esquerda na gestação de uma direita radical. "A radicalidade da desigualdade brasileira sempre manteve um ódio social latente, que irrompe sistematicamente em violência desorganizada e de tempos em tempos explode em colapso político e social", diz Francisco Bosco Foto: Editora Todavia

 

 

Em tempos de polarização político-ideológica, um livro com o nome de O diálogo possível parece querer colocar todo mundo na mesma mesa. O subtítulo esclarece a proposta: “Por uma reconstrução do debate público brasileiro”. Na obra, o ensaísta e filósofo Francisco Bosco parte de um país com cultura popular e democracia esfaceladas e busca, assim, diagnosticar como foi que chegamos até aqui.

É por meio do diálogo que a sociedade pode ser reconstruída e, para isso, é preciso cutucar sem medo as feridas, diz Bosco, que também é apresentador do programa Papo de Segunda, no canal GNT.

“A reconstrução do debate público requer desaliená-lo, desmistificá-lo e desinflamá-lo”, diz Bosco, em entrevista à DW Brasil. “Os novos trilhos que proponho ao país […] requerem enfrentar conflitos distributivos, econômicos e sociais, com uma radicalidade que a redemocratização, mesmo em seus melhores momentos, procurou evitar.”

Para fazer esse percurso, ele não se furta em reconhecer a importância nem sequer de pensadores controversos — e menosprezados pelo mundo acadêmico —, como o autoproclamado filósofo Olavo de Carvalho (1947-2022), guru do bolsonarismo.

“Quer se queira ou não, Olavo de Carvalho é o intelectual mais influente do país nas últimas décadas. Penso que as ideias de Olavo de Carvalho contribuíram decisivamente para arruinar a democracia brasileira”, considera Bosco, apontando, que a esquerda também teve um papel importante na gestação de uma “direita apoplética”.

Para o filósofo, nunca faltaram motivos para ódio no Brasil. “O ódio é a própria matéria-prima de que foi feito o país […] O Brasil é um país misturado e desigual. A radicalidade dessa desigualdade sempre manteve um ódio social latente.”

Leia mais em Deutsche Welle