Exportações de carne suína crescem 41% em maio. Vendas do setor geram receita 54,6% maior no mês

Exportações de carne suína crescem 41% em maio. Vendas do setor geram receita 54,6% maior no mês

Agronegócio Economia Negócios Notícias

As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 67,2 mil toneladas em maio, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).  O volume é 41% superior ao realizado no mesmo período do ano passado, quando foram exportadas 47,7 mil toneladas.

Em receita, as vendas do quinto mês do ano chegaram a US$ 143,8 milhões, saldo 54,6% maior que o resultado alcançado no mesmo período de 2018, com US$ 93 milhões.

No acumulado do ano (janeiro a maio), as exportações de carne suína chegaram a 282,9 mil toneladas, volume 16,3% superior ao obtido no mesmo período do ano passado, com 243,3 mil toneladas.

Já o saldo cambial totalizou US$ 562 milhões, número 11,9% maior que os US$ 502,2 milhões gerados nos cinco primeiros meses de 2018.

A China disparou entre os destinos das exportações brasileiras.  Com 31,9% dos embarques, importou 21,1 mil toneladas em maio, volume 51% maior em comparação com o mesmo período do ano passado.

“A questão sanitária vivida pela produção chinesa dá sinais mais fortes no ritmo de importações.  A fatia da participação chinesa nas exportações brasileiras é a maior já registrada”, explica Francisco Turra, presidente da ABPA.

Outro mercado impactado por focos de Peste Suína Africana, o Vietnam, que importou apenas 26 toneladas em maio de 2018, elevou suas compras em quase 7000%, totalizando 1,82 mil toneladas em maio.

O Chile também se destacou entre os importadores.  O país sul-americano praticamente dobrou suas importações (+99%) de carne suína do Brasil, chegando a 4,1 mil toneladas no quinto mês deste ano.

“Outros mercados relevantes para o Brasil, como Hong Kong (+1%), Angola (+75%), Uruguai (+68%) e Argentina (+54%) também incrementaram suas compras em maio. A ampliação do saldo acumulado entre janeiro e maio indicam, também, um fechamento de semestre com previsão positiva para os embarques de carne suína”, reforça Ricardo Santin, diretor-executivo da ABPA.

RS: TRF4 cancela concessão de exploração de radiodifusão à empresa de televisão de Cachoeira do Sul. Sócios deverão indenizar população local por danos morais coletivos no valor de R$ 1.100.000,00 através de projetos de entidades beneficentes e culturais no município.

RS: TRF4 cancela concessão de exploração de radiodifusão à empresa de televisão de Cachoeira do Sul. Sócios deverão indenizar população local por danos morais coletivos no valor de R$ 1.100.000,00 através de projetos de entidades beneficentes e culturais no município.

Comunicação Negócios Notícias

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) declarou o cancelamento da outorga de concessão do direito de exploração de serviços de radiodifusão para a empresa Televisão Cachoeira do Sul LTDA, localizada na cidade de Cachoeira do Sul (RS). A 3ª Turma da corte entendeu, de forma unânime, que houve desvio de finalidade na exploração do serviço, pois a empresa não cumpriu o exigido pela legislação quanto à veiculação de programação de natureza informativa em sua grade. A decisão foi proferida em sessão de julgamento realizada no dia 4/6. O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação civil pública, em setembro de 2013, contra a União Federal, a Televisão Cachoeira do Sul LTDA e os seus sócios.

O órgão ministerial requisitou à Justiça Federal gaúcha que declarasse a nulidade do ato administrativo da União que havia renovado a concessão de outorga para a Televisão Cachoeira do Sul explorar serviços de radiofusão de sons e imagens. Também solicitou ao Judiciário a declaração de caducidade da concessão que havia sido outorgada à empresa, originalmente, por meio de Decreto em dezembro de 1980. Ainda foi requerida a condenação solidária da Televisão Cachoeira do Sul e dos seus sócios Rede Novo Tempo de Comunicação,  Associação Nacional de Entidades Adventistas do Sétimo Dia e Antonio Oliveira Tostes, ao pagamento de indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 1.100.000,00 em favor dos cidadãos de Cachoeira do Sul, a ser destinado para projetos de entidades beneficentes e culturais no município.

O MPF alegou que o decreto que outorgou à empresa o direito de estabelecer uma estação de radiodifusão de sons e imagens estabeleceu diversas obrigações à concessionária, dentre elas não transferir, direta ou indiretamente, a concessão, sem prévia autorização do Governo Federal, reservar cinco horas semanais para veiculação de programas educacionais e veicular, no mínimo, 5% do horário de sua programação diária a programas informativos.

Segundo o autor da ação, foram apuradas por meio de inquérito civil, diversas irregularidades em relação à concessão, de forma que os sócios da TV Cachoeira do Sul LTDA teriam desvirtuado a finalidade original da outorga, transformando os serviços prestados pela concessionária em eminentemente comerciais, e assim, inexistindo interesse público para justificar a renovação da outorga.

O MPF acrescentou que uma fiscalização realizada pela ANATEL concluiu que a concessionária não cumpriu com as obrigações previstas no decreto de concessão, principalmente quanto à falta de conteúdo informativo e educativo, não respeitando o limite máximo de publicidade comercial estabelecido na Lei Federal 4.117/62, pois foi verificado que quase 100% de sua transmissão referia-se à publicidade comercial.

Ainda defendeu ser ilícita a venda da concessão praticada pela sociedade que havia recebido originariamente a outorga, porque envolveu alteração dos contratos sociais e transferências das ações sem autorização do Governo Federal.

Por fim, o MPF apontou que o desvio de finalidade da concessão, marcado pelo prejuízo do direito de informação à população em vista da ausência de veiculação de conteúdo informativo local na grade de programação, causou os danos morais coletivos.

O juízo da 1ª Vara Federal de Cachoeira do Sul, no entanto, julgou a ação civil pública improcedente, negando os pedidos formulados.

O órgão ministerial recorreu ao TRF4, pleiteando a reforma da sentença. A 3ª Turma do tribunal decidiu, por unanimidade, conceder parcial provimento à apelação cível para declarar o cancelamento da concessão outorgada por Decreto à Televisão Cachoeira do Sul LTDA.

A relatora do processo na corte, desembargadora federal Vânia Hack de Almeida, declarou que “decorre da finalidade informativa do serviço de radiodifusão – princípio expresso no art. 221, I, da Constituição Federal – a necessidade de que seja destinado um mínimo de 5% da grade de programação diária da detentora da outorga à transmissão de serviço noticioso, de acordo com a Lei 4.117/62”.

Ela seguiu destacando que “comprovou-se nos autos que, sob a denominação fantasia de ‘Shop Tour’, a titular da outorga destinou a totalidade de sua programação à veiculação de propaganda comercial de lojistas de estado da federação distinto daquele onde situada a estação geradora, privando, com isso, a comunidade da promoção e do acesso à informação local”.

Dessa forma, a magistrada ressaltou que “diante da prova coligida aos autos, comprovou-se o desvio de finalidade da exploração do serviço de radiodifusão, autorizando-se, com isso, a interveniência do Poder Judiciário para, com fundamento no artigo 223, §4º, da Constituição Federal, cancelar a outorga até então vigente”.

Sobre a suposta ilegalidade na venda da concessão, com alteração do contrato social, apontada pelo MPF, a relatora reforçou que “no caso dos autos demonstrou-se que, inobstante a alteração do contrato social tenha sido redigida em momento anterior à anuência do órgão concedente, seu registro perante a Junta Comercial – requisito para que seus efeitos sejam imputáveis a terceiros – ocorreu somente após a autorização dada pela autoridade pública competente, de onde se conclui pela ausência de ilegalidade no ato”.

Ao negar a indenização pelos danos morais, Vânia pontuou que “o dano moral coletivo tem lugar nas hipóteses onde exista um ato ilícito que, tomado individualmente, tem pouca relevância para cada pessoa; mas, frente à coletividade, assume proporções que afrontam o senso comum. Pela situação dos autos não se identifica ter sido suprimido o direito de promoção e de acesso à informação local pela comunidade afetada, haja vista que tal direito manteve-se protegido diante da existência de outros meios de comunicação social na localidade”.

Sem respaldo, Bolsonaro se empolga com moeda única

Sem respaldo, Bolsonaro se empolga com moeda única

Economia Negócios Notícias

Apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), o plano de implementar uma moeda única para Brasil e Argentina não está em estudo e não faz parte de nenhuma análise técnica na área econômica no governo.

Em encontro com empresários na quinta-feira (6), em Buenos Aires, Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, discutiram a ideia. O tema já teria sido debatido com seu equivalente no governo Mauricio Macri, Nicolás Dujovne.

No Ministério da Economia, as afirmações sobre a criação da moeda única foram recebidas com cautela.

Auxiliares de Guedes afirmaram que não existe nenhuma análise sobre o tema em andamento na pasta.

O Banco Central informou, em nota, que não tem projetos ou estudos sobre uma eventual união monetária com a Argentina.

Ontem, Bolsonaro afirmou que tinha sido dado o primeiro passo para “o sonho” de unificar real e peso. Para o presidente, a medida seria uma forma de barrar “aventuras socialistas” no Continente. (Folha de São Paulo)

RS: Governador confirma presença no lançamento da pedra fundamental do Sinodal no Prado Bairro-Cidade

RS: Governador confirma presença no lançamento da pedra fundamental do Sinodal no Prado Bairro-Cidade

Cidade Destaque Direito Economia Negócios
O meio-dia de 3 de setembro marcará uma nova e importante fase do Prado, primeiro bairro-cidade do Rio Grande do Sul. Nessa data, será lançada a pedra fundamental do Colégio Sinodal, no trevo de acesso à GM, em Gravataí. O governador do Estado, Eduardo Leite, confirmou presença na cerimônia, durante reunião com diretores do empreendimento na tarde desta sexta-feira (7), no Palácio Piratini. Participaram do encontro o empresário Carlos Gerdau Johannpeter, o diretor executivo do Prado, Richard Schwambach, o diretor-geral do Colégio Sinodal, Ivan Renner, o prefeito de Gravataí, Marco Alba, e o investidor Edilson Zanatta. O governador destacou a inovação e o empreendedorismo do projeto. “Me atraem os temas relacionados ao novo urbanismo, que aproxima as pessoas e são bons exemplos de desenvolvimento de cidades melhores com serviço, habitação, somados a educação. O Prado, nesse sentido, é interessante e inspirador, melhora a cidade”, afirmou Leite.

Agradecendo pela reunião e pela oportunidade de apresentar o projeto, Carlos Gerdau Johannpeter ressaltou que esse trabalho é uma demonstração de confiança no Estado. “Os empreendedores devem se unir e voltar a investir no Rio Grande. E o bairro-cidade mostra essa firmeza de propósito”, disse o sócio do Prado, que também salientou a importância da parceria com o município de Gravataí para a realização da iniciativa.

62193023_2196009340448595_6475889171364839424_n
Diretores do empreendimento e da rede de ensino se reuniram com Eduardo Leite. Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini

Para o prefeito Marco Alba, o empreendimento evidencia o potencial de Gravataí e de toda a região Metropolitana para investimentos desse porte, gerando desenvolvimento e qualidade de vida. “Há uma capacidade muito grande para crescer no entorno da capital. Estamos prontos para receber projetos dessa magnitude”, pontuou o gestor municipal.

Referência em educação no Rio Grande do Sul, o Colégio Sinodal terá sua primeira unidade na área Metropolitana de Porto Alegre. A autorização para realização da obra foi assinada em fevereiro e terá capacidade para atender 1.500 alunos com idades entre três meses e 17 anos, do berçário, Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. A estrutura será construída em uma área com 37,5 mil m². As aulas começarão em 2021.

“Investir e acreditar na educação é construir o futuro. E o Sinodal cumprirá mais uma vez sua missão, como uma escola reconhecida pelos resultados alcançados e pelas pessoas que se formam em nossa instituição. Estaremos preparados para bem atender os estudantes, com o padrão de qualidade que nos caracteriza”, expressou Ivan Renner, diretor-geral do colégio.

Localizado no trevo de acesso à GM e a apenas 15 minutos do Aeroporto Salgado Filho, o Prado contará com um bairro privado e uma área multiuso. Também reunirá restaurantes, supermercados, hotel, farmácia e shopping center, além de prédios para consultórios, escritórios e apartamentos. “Morar, trabalhar e se divertir num único lugar é mais que uma tendência moderna. É uma forma saudável de viver e buscar qualidade de vida”, complementou Johannpeter.

Destaque nacional

Com ensino bilíngue, o Sinodal foi o primeiro colégio do estado a firmar um acordo com a International University Alliance (IUA), pool de 15 universidades americanas. A parceria permite que os melhores alunos formados possam estudar nessas faculdades após o Ensino Médio sem a necessidade de exame de proficiência em inglês. Outro atrativo é o destaque dado às práticas esportivas. Como escola federada, os alunos do Sinodal participam de competições nacionais de vôlei e basquete.

Há mais de cinco anos, o Sinodal possui a melhor média de aprovação no ENEM. Cerca de 80,5% dos alunos da instituição passaram em vestibulares de universidades públicas e privadas em 2017. Nos últimos cinco anos, 35% ingressaram em universidades federais.

Segurança e liberdade

Em uma área de 350 hectares, a previsão é de que o Prado Bairro-Cidade abrigue 25 mil pessoas. O empreendimento segue os conceitos de novo urbanismo, tendência global em projetos que buscam oferecer qualidade de vida. Facilidade para pedestres, conectividade, cuidado com o meio ambiente, estrutura de um bairro tradicional e sustentabilidade são alguns desses fundamentos. O resultado é um espaço para morar e trabalhar com segurança e liberdade – concentrando em um único lugar tudo o que é preciso para viver bem.

Empreendimento da C. Johannpeter & Luz, o Prado Bairro-Cidade teve seu projeto urbanístico concebido pela Keystone DDG – empresa que já desenvolveu, em diversas cidades do mundo, locais que seguem a mesma premissa. Um dos principais exemplos brasileiros é o Pedra Branca, em Palhoça/SC.

Porto Alegre: Gás de cozinha no meio da rua pode representar perigo a quem frequenta Cidade Baixa

Porto Alegre: Gás de cozinha no meio da rua pode representar perigo a quem frequenta Cidade Baixa

Cidade Destaque Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias
 A foto mostra o mais novo “empreendedor” das ruas de Porto Alegre e também os riscos de uma situação crescente, o comércio de alimentos nas ruas sem nenhuma fiscalização da vigilância sanitária e do Corpo de Bombeiros, já que muitos desses negócios informais não tem acompanhamento diário das autoridades. Uma coisa são os Food-Trucks, caminhões adaptados para a venda de comida, que contam com legislação própria na cidade, outra coisa é o sujeito instalar no meio da rua um forno a gás e começar a assar pizzas colocando em risco a própria vida, dos consumidores e dos que circulam sem atenção nas proximidades. As fotos que ilustram esse post foram registradas na rua José do Patrocínio, bairro Cidade Baixa.
62123792_460355914533364_1142565853124886528_nEspero que rapidamente nossas autoridades da área de segurança pública e também da saúde fiscalizem os riscos que esse tipo de comércio pode oferecer aos que circulam pela cidade. Sou absolutamente favorável ao empreendedorismo e entendo que muitas estejam fazendo isso em função da burocracia, custos e crise, mas segurança em primeiro lugar.  Se comércios formais que tem fiscalização e a exigência de uma série de cuidados diários na operação, apresentam risco imagina esses que são montados de qualquer jeito, sem nenhuma inspeção das autoridades. Existem vários exemplos Brasil afora de locais que incendiados depois da explosão de botijões de gás.
Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, o capitão do Corpo de Bombeiros, Marcos Palumbo, advertiu que: “O que acontece com muita gente que vende comida na rua, seja os pipoqueiros, o dogueiro ou aqueles ambulantes que fazem amendoim doce, é que eles não observam e nem sabem do perigo que é burlar certas regras de segurança. Normalmente, eles usam aquele fogareiros e não compram o botijão adequado. Isso é um risco, já que a distância da panela ao botijão pode causar incêndios”. A maior parte (acidentes) é doméstico. Mas isso dá conta do risco que é.  Em São Paulo, existem 2,8 mil casos em que o botijão pegou fogo e não explodiu por pura sorte.”
A possibilidade de incêndio de um botijão de gás tem que ser devidamente dimensionada pelos responsáveis e autoridades. A vida das pessoas que estão caminhando desavisadamente nas ruas não pode ser colocada em risco pela irresponsabilidade de alguns e inércia da prefeitura e órgãos estaduais.
Empresa investe no atendimento personalizado para o mercado imobiliário. Comemorando 20 anos no segmento, HabitarePOA projeta 25% de crescimento em 2019

Empresa investe no atendimento personalizado para o mercado imobiliário. Comemorando 20 anos no segmento, HabitarePOA projeta 25% de crescimento em 2019

Negócios Notícias

Uma aposta no atendimento personalizado ao cliente do mercado imobiliário de Porto Alegre. Essa é a tendência da HabitarePOA, administradora de condomínios e locação da capital gaúcha que completa 20 anos de atuação em 2019. Criada em 1999 como administradora de imóveis de clientes de um então escritório de Contabilidade, a HabitarePOA identifica nos segmentos de condomínios e locação de imóveis o grande diferencial para investidores e proprietários, projetando um crescimento de 25% ainda este ano.

“Nossos primeiros clientes foram pessoas que conheciam o trabalho que desenvolvíamos no escritório de Contabilidade. A atenção, a orientação oferecida nos detalhes mais específicos das atividades condominiais nos permite obter o diferencial acumulado nesses 20 anos”, comenta Fábio Rivaldo, proprietário da empresa.

Em um cenário de desenvolvimento de alternativas tecnológicas para locação de imóveis, Rivaldo projeta a manutenção do interesse de uma maioria de investidores e proprietários de imóveis em administradoras que lhes ofereçam segurança na operação, baixo custo operacional e dedicação quase que exclusiva ao seu patrimônio. E nesse segmento, que a HabitarePOA também se utiliza, há um projeto voltado para condomínios.

“O crescimento dos condomínios em nosso estado não é de agora, assim como a preocupação de quem investe nesse patrimônio. É nesse segmento que vamos apostar pois junto com ele vem a locação. Não vamos atuar no varejo, mas na personalização.”, comenta Fábio Rivaldo.

Uma tendência verificada pelo diretor da HabitarePOA é a associação, fusão ou incorporação de empresas, alternativa que também é considerada envolvendo empresas com o mesmo critério operacional de atendimento diferenciado ao cliente. No faturamento atual da empresa, 40% tem origem na administração de condomínios, inclusive com parceiras com outras administradoras, tais como Auxiliadora Predial e Guarida, em áreas que não são atendidas diretamente.

Seminário abre programação de missão gaúcha no Chile

Seminário abre programação de missão gaúcha no Chile

Destaque Negócios
 A agenda programada para a missão empresarial e governamental gaúcha ao Chile, ao longo desta semana, começa nesta terça-feira (4), em Santiago, com o Seminário Oportunidades de Negócios RS-Chile, na sede da Sociedade de Fomento Fabril (Sofofa). O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), que coordena a missão, Gilberto Porcello Petry, fará um pronunciamento na abertura do seminário, que terá a participação, ainda, do governador do Estado, Eduardo Leite; da vice-presidente da Sofofa, Janet Awad; do presidente do Capítulo Chileno do Conselho Empresarial Binacional, Luis Felipe Gazitúa; e do diretor de Assuntos Econômicos Bilaterais do Ministério das Relações Exteriores do Chile, Felipe Lopeandía. “O Chile compra muito dos Estados Unidos, Europa e Japão, a ideia é aumentar o intercâmbio comercial entre as indústrias do Rio Grande do Sul com o país”, afirma Petry.
O presidente da FIERGS destaca que o Acordo Amplo de Livre Comércio (ALC) assinado entre Brasil e Chile em 2018, dará novas oportunidades de negócios e investimentos para a indústria do Rio Grande do Sul. Petry esteve no Chile em setembro do ano passado, quando estabeleceu os primeiros contatos com representantes da Sofofa para realizar a missão que agora é concretizada. À tarde, após o seminário, parte da comitiva realizará rodadas de negócios com empresas chilenas. Ao final do dia, representantes dos governos do RS e do Chile, juntamente com a FIERGS, farão uma reunião, quando o governador Eduardo Leite apresentará o potencial do Estado; e o presidente Gilberto Porcello Petry, o perfil da indústria do Rio Grande do Sul.
No ano passado, a balança comercial entre o Rio Grande do Sul e o Chile teve um saldo de mais de US$ 346 milhões, com o Estado vendendo ao país, sexto destino das exportações gaúchas, principalmente veículos
(US$ 206,54 milhões), 42,17% do total da pauta. Já de origem chilena, o RS comprou especialmente produtos químicos orgânicos (US$ 41,68 milhões), 29% do total importado. Em 2019, entre janeiro e abril, o saldo da balança comercial do Estado com o Chile supera os US$ 130 milhões, tendo o RS exportado US$ US$ 179,3 milhões.
  A missão prossegue até sexta-feira e a programação inclui também outras rodadas de negócios e visitas técnicas a empresas.
 

LOCAÇÃO REVERSÍVEL, UM NOVO JEITO DE FAZER NEGÓCIOS COM SALAS COMERCIAIS

Ao fazer um aluguel, os clientes poderão utilizar os valores pagos, num período de até 30 meses de locação, como entrada na compra do imóvel. São mais de 100 unidades disponíveis, situadas em várias partes da cidade.

A Melnick Even, líder em alto padrão no estado e uma das construtoras mais rentáveis do país, continua se reinventando na busca de soluções que agreguem valor ao cliente, mercado e a sua  performance .

A empresa reforça sua estratégia de atuação com um modelo inédito no RS: a Locação Reversível. Uma alternativa inteligente e rentável para o cliente de transformar despesas de aluguel de salas e/ou espaços de coworking, em investimento.

Neste novo modelo, o cliente poderá tornar-se dono do imóvel que locou, utilizando de forma total ou parcial as parcelas do aluguel, como entrada na compra da sala. O cashback (dinheiro de volta) pode chegar até 100% dos valores pagos e vai ocorrer sempre que o cliente optar pela compra ao longo do contrato de locação.

Segundo o diretor executivo da Melnick Even, Juliano Melnick, ”Mais uma vez a empresa traz novidades ao mercado imobiliário, numa maneira revolucionária de locação e venda de salas comerciais, onde o cliente tem oportunidade de “testar” o produto através da locação, podendo reverter esse aluguel como parte do pagamento da sala se assim desejar”.

 

A locação reversível valerá para um número limitado de salas comerciais prontas, espalhadas em oito empreendimentos, localizados em diferentes regiões da cidade como Zona Norte, proximidades do bairro Bela Vista, Moinhos de Vento e do Shopping Iguatemi.

ADVB: 47° Prêmio Exportação RS premia vencedores nesta quinta-feira

ADVB: 47° Prêmio Exportação RS premia vencedores nesta quinta-feira

Agenda Cidade Economia Negócios Notícias Tecnologia

Nesta quinta-feira, dia 06 de junho, a partir das 19h30, na Casa NTX, na Avenida das Indústrias, 1395, Porto Alegre, o Conselho do Prêmio Exportação RS reconhecerá os líderes no segmento exportador gaúcho. A imprensa está convidada para o 47° Prêmio Exportação RS, conhecido como o maior reconhecimento do Sul do País ao segmento exportador. Considerado o maior evento do segmento do país, o Prêmio Exportação RS distingue empresas que obtiveram os melhores resultados mercadológicos e desenvolveram estratégias inovadoras para expor e comercializar seus produtos no mercado internacional. Em 2018, foram reconhecidas 55 empresas, que se destacaram por seus resultados de exportações em variados setores da economia.

O Conselho do Prêmio Exportação RS é formado por lideranças das 17 instituições que possuem alguma relação de suporte ou apoio ao cenário exportador gaúcho. São as seguintes organizações: ADVB/RS, Apex-Brasil, Agenda 2020, Badesul, Banco do Brasil, Banrisul, BRDE, FARSUL, Federasul, Fecomércio-RS, FIERGS, Movimento Brasil Competitivo, Superintendência dos Portos do Rio Grande do Sul, PwC Brasil, PGQP, Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Turismo do RS e UFRGS.

O Prêmio, que este ano reconhecerá o desempenho de 51 empresas, anunciadas em maio, é promovido por 17 entidades ligadas ao cenário exportador do estado. A distinção destaca as empresas em categorias quantitativas, com base em dados de exportação do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – MDIC, e qualitativas, com base na expertise das entidades representadas no Conselho do Prêmio. Veja quais foram as empresas vencedoras aqui.

No jantar de premiação, direcionado às empresas, convidados, autoridades e imprensa, o Conselho do Prêmio Exportação RS também entregará o prêmio Personalidade Competitividade Internacional 2019 à Marcos Oderich, Diretor Comercial e de Relações com o Mercado da Conservas Oderich S/A. A distinção é oferecida todos os anos a uma liderança empresarial ou profissional que atue no comércio exterior e que tenha realizado ações de incentivo à inserção de produtos brasileiros no mercado externo.

Presidente da ADVB/RS, Rafael Biedermann Mariante Foto: Assessoria Fotográfica

Durante a semana que passou, o presidente da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Rio Grande do Sul – ADVB/RS, Rafael Biedermann Mariante, participou do FBV talks na 7ª edição da Feira Brasileira de Varejo, em Porto Alegre. Ele conversou com o público sobre a “Nova ADVB/RS”, os desafios contemporâneos que as organizações enfrentam diariamente no estado e os pilares básicos do novo ecossistema. O presidente explicou que para haver um crescimento econômico é preciso que as empresas monitorem o retorno de experiência do cliente. “A experiência tem que ser boa tanto para o cliente como para os colaboradores, há de se ter um propósito. Precisamos propiciar um momento mágico para eles”, disse Rafael.

Durante os três dias do evento a entidade contou com um espaço exclusivo para receber profissionais e interessados para apresentar as iniciativas da ADVB/RS que visam fomentar a cultura do marketing e vendas no Rio Grande do Sul. “O mercado passa por um cenário de mudança. Entidades que representam empresas e profissionais, como é o nosso caso, devem perceber e acompanhar esses movimentos no comportamento do consumidor. Por isso a importância de estarmos presentes em um evento dessa magnitude, em que podemos trocar conhecimento sobre as tendências do que vem por aí”, finalizou.

47° PRÊMIO EXPORTAÇÃO RS

Data: 06 de junho de 2019 (quinta-feira)
Horário:  19h30
Local: Casa NTX – Av. das Indústrias, 1395, Porto Alegre

 

Porto Alegre: Feira Brasileira do Varejo encerrou com mais de R$ 9 milhões em negócios

Porto Alegre: Feira Brasileira do Varejo encerrou com mais de R$ 9 milhões em negócios

Economia Negócios Notícias

A 7ª edição da Feira Brasileira do Varejo, realizada pelo Sindilojas Porto Alegre encerrou nesta quinta-feira, dia 30 de maio,  no Centro de Eventos da Fiergs, em Porto Alegre, com números que superaram as expectativas: foram mais de R$ 9,6 milhões em negócios, incluindo o RS Moda – uma das atrações do evento.  O resultado é 37% maior que o projetado. Para Paulo Kruse, presidente do Sindilojas Porto Alegre, a FBV é resultado do engajamento de pessoas que tornam este grande evento uma referência nacional. “É uma oportunidade para quem busca atualização, conhecimento e novos negócios”, afirmou.

Os mais de 8,1 mil visitantes puderam conferir as novidades dos 91 expositores e participaram de palestras com grandes nomes nacionais. A Feira se consolidou como um espaço de possibilidades ideal para empresários, fornecedores, consultores e demais profissionais do setor realizarem negócios, divulgarem produtos e serviços, e construírem uma ampla rede de contatos. De acordo com Ronaldo Sielichow, presidente da FBV, o evento reúne atrações em diversas áreas do varejo. “A sociedade só tem a ganhar com toda a troca de experiências e conhecimento transmitidos no evento”, enfatizou.

Congresso Brasileiro do Varejo

Com fortes nomes do empreendedorismo e varejo, o Congresso Brasileiro do Varejo teve mais de 20 horas de debate e compartilhamento de conhecimento. A sétima edição do congresso contou com a  referências do mercado varejista das áreas de Moda; Franquias, Serviços e Conveniências; Marketing, Gestão e Relacionamento; e Tecnologia e Inovação. Entre os palestrantes estiveram nomes como Julio Mottin, da Panvel; Peter Furukawa, CEO das Lojas Quero-Quero; Andrea Iorio, diretor de inovação da L’Oreál; Cristiana Arcangeli, empresária e apresentadora do SharkTank Brasil; Oskar Metsavaht, fundador e diretor de criação e estilo da Osklen; e Paulo José, diretor de comunicação e marketing da Leroy Merlin Brasil; Cris Guerra, escritora e produtora de conteúdo; Sheila Makeda, diretora da Makeda Cosméticos; Rick Chesther, escritor, empreendedor e palestrante; Ênio Garbin, líder de soluções de indústria da IBM Brasil; Walter Longo, CEO da Unimark e ex-presidente do Grupo Abril; e Santiago Uribe, antropólogo e chefe do Escritório de Resiliência de Medelín.

Satisfação dos participantes e congressistas

A pesquisa de satisfação realizada durante o evento mostrou que 97% das pessoas que estiveram na FBV consideram o evento importante para o desenvolvimento do setor e 98% afirmaram que retornarão na próxima edição.

Já entre os congressistas, a satisfação teve nota média de 9, com 98% deles considerando a Feira importante para o crescimento do setor e 99% afirmando que retornariam para compartilhar conhecimento com os visitantes.

RS Moda

Iniciativa realizada pelo Sindicato das Indústrias do Vestuário do Rio Grande do Sul

(Sivergs), o RS Moda teve a sua primeira edição como integrante da Feira Brasileira do Varejo. Com aulas, bate-papos e desfiles durante os três dias de evento, as atividades voltadas para o setor receberam nomes como Oskar Metsavaht, da Osklen, e Cris Guerra, escritora e produtora de conteúdo, e Claudia Matarazzo, jornalista especializada em etiqueta e comportamento.

 

Desafio Fashion

O tradicional Desafio Fashion realizou sua quarta edição e promoveu estudantes e profissionais da moda, que apresentaram seus projetos para o público visitante, expositores e empresários do segmento. Com mentoria da ESPM-Sul, o tema do desafio foi “a transição do século XX para o XXI na moda no Rio Grande do Sul”.

 

Neste ano, além de estudantes, profissionais da moda puderam mostrar o seu talento no desafio, que foi dividido em “Novos Designers” e “Acadêmico”. Os vencedores na categoria “Novos Designers” foram a Equipe APICE, com o líder Pedro Antônio Matas, Gloria Castro, Roberta Lima, Lais Muniz, Carina SIlveira e Luísa Bolson. Já em “Acadêmicos”, os reconhecimentos foram para a equipe KAMAHLEOA, composta pela líder Mariana Ruaro de Vasconcelos, Natali Bittencourt Soza, Fábio Nunes de Moura e José Roberto Weingartner Júnior.

 

No próximo ano, o vencedor da categoria “Novos Designers” terá um estande no RS Moda. Já a equipe vencedora no “Acadêmicos” fará um desfile no palco do espaço destinado à moda.

 

Varejo Now

A iniciativa que contou com desafios durante os três dias de evento, também revelou os vencedores do Design Sprint, competição que buscou desenvolver inovações para temáticas emergentes na área do varejo. A startup vencedora foi a Cliente Ideal, que recebeu premiação de R$ 4 mil, além de acesso a rodada de co-criação com o Sindilojas Porto Alegre para aprimoramento da ideia, pacote de workshops e mentorias (1 workshops e 2 mentorias) e pacote de horas de coworking na Unilasalle, H2HUB e Tecnosinos. Já o segundo lugar ficou com a startup Cesta Ideal.

 

Já no Like A Boss, que selecionou startups para um desafio de pitches – apresentação de ideias e produtos – com soluções voltadas ao varejo, os vencedores foram a Polvo Spot e Smart Composer, primeiro e segundo lugares, respectivamente.

Durante os três dias de Feira, o espaço promoveu ainda o  Connect Biz, que teve a missão de unir startups e empresas.