Master Gramado terá programação especial no feriadão de páscoa

O Master Gramado preparou uma programação especial e diferenciada para os clientes que estiverem na cidade mais turística do Rio Grande do Sul durante o feriadão de páscoa. Além da tarifa com promoções de até 20% de desconto, o hotel sediará uma série de ações para as crianças no espaço kids durante os três dias (sexta, sábado e domingo).

A programação conta com diversas atividades, incluindo visitas de mascotes, artesanato, gincana, pintura, produção de massinha de modelar, preparação de ovos de páscoa e futebol, tudo com a supervisão de recreacionistas treinados e preparados. O espaço kids do Master Gramado, maior em área coberta no Brasil, conta com 484m² e brinquedos para todas as idades. O horário de funcionamento é entre 8h30 e 21h.

Os interessados em fazer reservas para o feriadão de páscoa podem entrar em contato pelo telefone 0800.707.6444 ou no e-mail reservas@masterhoteis.com.br.

Transparência 2019 _1

LEBES RECEBE FORNECEDORES EM SÃO PAULO PARA REUNIÃO DE TRANSPARÊNCIA 

 

A diretoria da rede de varejo Lojas Lebes se reuniu em São Paulo com os principais fornecedores para o 4º encontro Conferência, Transparência e Futuro Lebes.

 

O evento, que teve como objetivo estreitar e fortalecer ainda mais o relacionamento da rede com seus parceiros,  promoveu uma conversa aberta sobre o mercado do varejo e seus desafios para os próximos anos.

 

A empresa  mostrou o seu posicionamento no atual cenário varejista, apresentou os resultados de 2018 e falou sobre as estratégias e suas projeções para 2019, com destaque para a grande transformação digital da rede.

 

“Transparência é a palavra que norteia todo trabalho que desenvolvemos na Lebes. Acreditamos que a confiança mútua e a troca de informações e experiências fortalecem as parcerias e possibilitam o crescimento de todos”, comenta Otelmo Drebes, presidente da Lojas Lebes.

 

O encontro, que  contou com mais de 50 fornecedores e prestadores de serviços da região sudeste, aconteceu nos dias 15, 16 e 17 de abril no WTC Hotel na capital paulista.

CNI reitera posição contrária ao tabelamento do frete

CNI reitera posição contrária ao tabelamento do frete

Destaque Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Poder Política

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) vê com preocupação os efeitos que o tabelamento do frete e eventuais indexações de preços podem trazer para a economia e para a livre concorrência.  Para a indústria, fixação de preços mínimos prejudica livre mercado e já trouxe efeitos negativos para a economia e para a recuperação do mercado de trabalho.

Estudo recente da entidade mostrou os impactos negativos trazidos à economia brasileira em 2018 pela política de tabelamento, entre eles a redução do crescimento do PIB em R$ 7,2 bilhões e prejuízos à recuperação do mercado de trabalho. De acordo com a CNI, com menor crescimento da economia, 203 mil postos de trabalho deixaram de ser criados.

“A política de preços mínimos traz distorções para a economia e não representa solução eficaz para os problemas hoje enfrentados por caminhoneiros autônomos”, afirma o presidente da CNI em exercício, Glauco José Côrte.

Empreender é exercitar o “músculo” da coragem. Em encontro realizado na Federasul, empresárias gaúchas defenderam o protagonismo da mulher em todos os setores e níveis

Empreender é exercitar o “músculo” da coragem. Em encontro realizado na Federasul, empresárias gaúchas defenderam o protagonismo da mulher em todos os setores e níveis

Destaque Economia Negócios

Um painel formado apenas por mulheres e que são referência em seus setores de atuação. Foi assim o formato da reunião-almoço Tá na Mesa, da Federação de Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (FEDERASUL). Sob o comando da presidente da Simone Leite, o encontro reuniu Aline Deparis, presidente da ASSESPRO/RS (Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação/Regional RS); Giovana Stefani, presidente do IEE (Instituto de Estudos Empresariais) e Karim Miskulin, diretora da Revista Voto.

O encontro, que aconteceu no Salão Nobre do Palácio do Comércio, reuniu mais de uma centena de espectadores, em sua maioria formada por mulheres. Na plateia personalidades como a deputada estadual, Francine Bayer e a chefe da Polícia Civil-RS, Nadine Anflor. A primeira empreendedora a falar foi Aline, que trouxe números interessantes e que contribuem para o encorajamento e fomento do espírito empreendedor na mulheres. De acordo com ela, 43% das empresas brasileiras são comandadas pelo sexo feminino. Outro dado importante é que 43% das mulheres trabalham no setor de Recursos Humanos e 34% são responsáveis pela área financeira, exercendo o cargo de CFO.

CREDITO ROSI BONI -
Da esquerda: Giovana Stefani (IEE); Simone Leite, presidente da Federasul; Aline Deparis (ASSESPRO/RS) e Karim Miskulin (Revista Voto). Foto: Rosi Boni

Natural da cidade de Viadutos, no interior gaúcho, Deparis fez questão de dizer que “minha história não é nenhum drama ou roteiro de filme hollywoodiano e, com certeza, não entraria na Netflix”, declaração que tirou gargalhadas da plateia. “Não tive exemplo na família. Sou filha de agricultores e afirmo que empreender não é apenas sonhar, mas trata-se de ter propósito. Empreendedorismo acontece em qualquer lugar. Empreender é difícil. Empreender é, acima de tudo, paixão”, definiu Aline.

Ao contrário de Aline, a segunda panelista, Giovana Stefani, teve no seio da família o exemplo do empreendedorismo. Ela é neta do empresário canoense Henrique Stefani (1921-2012), fundador de uma das maiores empresas do ramo logístico do Brasil. Giovana integra a terceira geração no comando dos negócios. “Eu respirava empreendedorismo todos os dias. Meu avô encorajava seus funcionários a adquirirem caminhões e entrarem para o ramo da logística pensando em parceiros, não em empregados”, relatou emocionada.

Com uma característica quase que exclusiva, a cientista política e diretora da Revista Voto, Karim Miskulin, traduziu alguns momentos de sua experiência como empreendedora. Hoje a mulher que está à frente de uma das mais importantes publicações do RS, não teve papas na língua e contou “Vendia roupas e bijuterias com 14 anos de idade. Empreender é construir elo e que vão muito além do retorno financeiro. Empreender é trabalhar com o lado não-racional das coisas”, disse Karim, que defendeu, também, que a mulher busque o protagonismo desde cedo. “Nós não podemos restringir nossa influência aos muros de nossa casa. Somos influenciadoras natas. Tudo é possível quando se exercita o “músculo” da coragem”.

Para provocar o debate, Simone Leite trouxe para o centro das discussões um tema bem delicado e que acaba por desencorajar o espírito empreendedor, que é o sentimento de culpa. A presidente relatou alguns fatos, como deixar os filhos e a família de lado, e acabar por sacrificar o ambiente familiar. Karim foi a mais direta e sentenciou: “temos que carregar a culpa. O sucesso está muito ligado a quem está na nossa retaguarda. Aline foi pela linha da disciplina e que o empreendedor deve buscar sempre uma brecha ou criar um protocolo para atender as demandas da família. Giovana defendeu que a mulher precisa de um companheiro, de verdade, e que faça jus a esse título.

 

Planejamento de carreira é tema de encontro em Porto Alegre. Arquiteta Aclaene de Mello participa do Projeto Wake Up, da BPW Porto Alegre acontece dia 29 na Clássica com Pimenta

Planejamento de carreira é tema de encontro em Porto Alegre. Arquiteta Aclaene de Mello participa do Projeto Wake Up, da BPW Porto Alegre acontece dia 29 na Clássica com Pimenta

Agenda Negócios Notícias

Quantas vezes erramos para acertar? Essa é a principal pergunta que todos os profissionais e empreendedores se fazem. No dia 29 de abril, das 8h30min às 10h, na Clássica com Pimenta (Av. Venâncio Aires, 18, Cidade Baixa), na capital gaúcha, ocorre a primeira edição de 2019 do Projeto Wake Up, que terá como tema “Como Arquitetar uma Carreira de Sucesso”. Organizado pela Business Professional Women (BPW) Porto Alegre, o evento terá como convidada especial a arquiteta Aclaene de Mello, especializada em arquitetura de interiores e reformas e curadora técnica da Casa Cor RS, que compartilhará a sua vivência profissional de destaque. Os ingressos custam R$ 15,00 e é aconselhável confirmar presença pelo telefone 51. 35176330.

Fundada na Suíça, pela advogada Lena Madesin Philips, durante a Segunda Guerra Mundial, a Business Professional Women (BPW) – Associação de Mulheres de Negócio e Profissionais – tinha por objetivo apoiar e empoderar as mulheres que, ao perderem seus maridos em combate, precisavam entrar no mercado de trabalho para sustentar suas famílias. É uma organização não governamental, sem fins lucrativos, apartidária e não assistencial, que agrega mulheres empresárias e profissionais com ideais comuns como: aperfeiçoamento profissional; melhores condições e oportunidades na vida econômica, civil e política do país; eliminação de todos os tipos de discriminação, encorajamento e promoção das mulheres à margem do mercado de trabalho, troca de experiências e negócios. Presente em mais de 95 países, possui mais de 40 mil mulheres organizadas unidas e em busca de negócios, defesa de direitos e promoção da paz. Em Porto Alegre, a organização surgiu em 1989, após um breve fechamento retomou suas atividades sendo totalmente reformulada em 2015. A BPW da capital gaúcha reúne mulheres entre 25 e 40 anos, de diferentes áreas: comunicação, saúde, administração, moda, entre outras.

O projeto, um case de sucesso da ONG de mulheres empreendedoras, tem por objetivo trazer histórias inspiradoras. “Neste evento reunimos as associadas da BPW Porto Alegre, visitantes e convidados para compartilharem conhecimento, networking e oportunidades de crescimento profissional e pessoal com participação de profissionais do mercado”, afirma Lessandra Fraga, presidente da BPW Porto Alegre. Aclaene de Mello é, hoje, um dos principais nomes da arquitetura de interiores do Rio Grande do Sul. Antes de abrir seu escritório, atuou na área civil durante 15 anos.

FIQUE POR DENTRO:

O que: Wake Up – Como Arquitetar uma Carreira de Sucesso

Quando: 29 de abril de 2019

Horas: 8h30min às 10h30min

Onde: Clássica com Pimenta (Av. Venâncio Aires, 18, Cidade Baixa)

Quanto: R$ 15,00 – venda no local e na hora do evento

Informações: (51) 35176330

 

Itaqui: Oryzasil Silicas inaugura em maio planta de sílica que usa matéria-prima de fonte renovável e livre de efluentes

Itaqui: Oryzasil Silicas inaugura em maio planta de sílica que usa matéria-prima de fonte renovável e livre de efluentes

Agronegócio Destaque Economia Negócios Notícias Tecnologia

Uma fábrica de sílica que utiliza materiais provenientes de recursos renováveis, protegendo o meio ambiente e proporcionando uma produção sem efluentes – impensável? Não mais. A Oryzasil Sílicas Naturais, localizada em Itaqui (RS), promete exatamente isso. Com sua inauguração em 9 maio de 2019, a fábrica de sílica é a primeira do gênero no mundo a focar na sustentabilidade, eliminando completamente as águas residuais, utilizando cascas de arroz como matéria-prima, produzindo sílica e energia. Sustentabilidade e proteção ambiental são mais do que palavras, são ações que visam a resultados. Esse é o objetivo da Oryzasil, empresa fundada pelo grupo alemão Ferrostaal, que desenvolveu uma solução para o problema ambiental das cascas de arroz. 70% da produção nacional de arroz estão localizadas no Rio Grande do Sul, sendo Itaqui a segunda maior região produtora do Estado. E é exatamente aqui que a Oryzasil projeta um futuro renovável.
silica2O arroz é um dos principais componentes da nutrição no Brasil. A casca do arroz representa mais de 20% dos grãos colhidos, atualmente despejados em aterros sanitários que causam danos à natureza, gerando gás metano e dióxido de carbono, danificando o solo. Para tornar a casca útil, a Oryzasil desenvolveu produtos químicos a partir desta matéria-prima renovável, equivalentes aos provenientes de fontes esgotáveis. O projeto, através da queima das cascas de arroz, gera energia térmica e elétrica suficiente para o processo e também para abastecer o mercado livre de energia.  A planta possui uma caldeira cujo sistema foi projetado para otimizar a combustão das cascas: melhor aproveitamento do calor e boa qualidade das cinzas necessárias no processo de fabricação da sílica. A Oryzasil tem uma capacidade de queima de 20 toneladas por hora e pode gerar energia equivalente ao abastecimento de uma cidade com cerca de 200 mil habitantes.
A Oryzasil aprimorou o método de processamento de sílica verde de forma inovadora e pioneira em todo o mundo. A matéria-prima é a própria cinza, que é subproduto da queima das cascas de arroz. Com este processo, a Oryzasil cria um ciclo sustentável e completo, desde a entrega das cascas de arrozà utilização da cinza como fonte de sílica e dos demais subprodutos. Outras empresas do ramo, por sua vez, utilizam a areia de quartzo como fonte de sílica, elemento que é extraído do meio ambiente por meio de um processo de mineração e cuja extração prejudica o meio ambiente. Albert Ramcke, CEO da Oryzasil diz que a planta “revoluciona processos químicos conhecidos e antigos com este processo sem precedentes, tornando-os completamente sustentáveis e sem produção de águas residuais. Para o mercado, é possível contar com sílica precipitada sustentável com propriedades idênticas às atualmente disponíveis no mercado.Como um grande produtor de arroz, o Rio Grande do Sul está na vanguarda da tecnologia de ponta para a produção de produtos químicos através do uso de fontes renováveis”.
Em uma primeira fase, o silicato de sódio é fabricado a partir das cinzas, que se trata de um produto intermediário para a produção de sílica. Um subproduto é o sulfato de sódio utilizado na indústria dos detergentes e do sabão,silica3 e um segundo subproduto é utilizado na agricultura como corretor de solos.
O principal produto da Oryzasil é a sílica precipitada, em diferentes especificações para diversas aplicações, tais como a indústria de pneus e borracha, creme dental, tintas e mercados de nutrição e saúde.A Oryzasil não gera efluentes no processo de fabricação da sílica precipitada, encerra o ciclo com 100% de aproveitamento e é capaz de produzir mais de 2,5 mil toneladas de sílica por mês.
A estratégia da empresa é baseada no mercado de pneus, os chamados pneus verdes ou pneus de alta eficiência energética, que podem economizar de 5% a 10% de combustível e, como consequência, reduzem as emissões de CO2.”A Oryzasil se define como uma empresa que associa o importante conceito de sustentabilidade à tecnologia inovadora e chega ao mercado mundial para demonstrar seus produtos de sílica derivados de fonte renovável”, afirma Marcus Vinicius Souza, diretor administrativo da planta. “Ao desenvolver e fabricar produtos que atendem a diferentes mercados, como a sílica para a indústria da borracha ou catalisadores, a Oryzasil demonstra que, em um mundo moderno de alta tecnologia, pode andar de mãos dadas com o meio ambiente”.  Devido às condições da superfície, o transporte e manuseio das cascas é, também, um problema para a indústria do arroz. Com o processo de Oryzasil, as fábricas de descasque de arroz se livram de um de seus problemas, acompanhando custos reduzidos e protegendo o meio ambiente.A missão da Oryzasil é reduzir a poluição ambiental reutilizando todo o potencial subexplorado e sustentável das cascas de arroz.

Empreendedorismo feminino na pauta do próximo Tá na Mesa.  Busca pelo protagonismo da mulher empresária será um dos temas abordados pelo painel que vai destacar o mundo corporativo

Empreendedorismo feminino na pauta do próximo Tá na Mesa. Busca pelo protagonismo da mulher empresária será um dos temas abordados pelo painel que vai destacar o mundo corporativo

Agenda Destaque Negócios

A Federação de Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul) recebe, na próxima quarta-feira, as empresárias Aline Deparis, presidente da ASSESPRO-RS (Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação/Regional RS); Giovana Stephani, presidente do IEE (Instituto de Estudos Empresariais); e Karim Miskulin, diretora da Revista Voto. Elas vão falar, no Tá na Mesa, sobre carreira, as dificuldades de empreender no Brasil, preconceito e outros assuntos que englobem o mundo corporativo.

As convidadas ainda irão relatar, durante o painel, suas experiências individuais dentro de cada nicho em que estão inseridas, tal como tecnologia, no caso de Aline; qualificação/preparo de líderes empresariais, campo de atuação de Giovana, e educação política e comunicação, na visão de Karim.

 

TÁ NA MESA

PALESTRANTES: Aline Deparis, presidente da ASSESPRO/RS; Giovana Stephani, presidente do IEE/RS e Karim Miskulin, diretora da Revista Voto

TEMA: “Painel: Mulheres Empreendedoras”

QUANDO: quarta-feira, dia 17 de abril de 2019, 12h

ENDEREÇO: Largo Visconde de Cairú, 17, no Centro de Porto Alegre

 

 

Porto Alegre: Oskar Metsavaht é presença confirmada na FBV

Porto Alegre: Oskar Metsavaht é presença confirmada na FBV

Agenda Cidade Destaque Direito do Consumidor Economia Negócios

Fundador e diretor de criação e estilo da Osklen, Oskar Metsavaht, é o palestrante que abrirá o segundo dia do Congresso Brasileiro do Varejo, na 7ª Feira Brasileira do Varejo (FBV). Sua palestra acontece no dia 29 de maio, às 9h30, no Centro de Eventos da FIERGS, e estima reunir um público de 750 pessoas com quem irá dividir seus cases e processos criativos. Metsavaht carrega em seu trabalho duas fortes marcas: a arte e a sustentabilidade.

Idealizador do studio OM.art, no Jockey Club do Rio de Janeiro, que abriga um espaço expositivo com conteúdos de reflexão sobre arte, ciência e filosofia e onde está instalado seu atelier de artes plásticas e seu escritório para desenvolvimento de projetos de arte. É fundador e presidente do Instituto-e, organização não- governamental que realiza diversos projetos socioambientais, além de ser Embaixador da Boa Vontade da UNESCO para Cultura de Paz e Sustentabilidade. À frente da Osklen, foi pioneiro a falar em moda sustentável ao lançar, em 1998, a primeira t-shirt feita em algodão orgânico. Ao longo de 10 anos, já reciclou mais de 1 milhão e meio de garrafas PET para criação de peças e-fabrics.

O Congresso Brasileiro do Varejo acontece nos dias 28,29 e 30 de maio. Os ingressos estão disponíveis no site www.feirabrasileiradovarejo.com.br. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3025.8300 ou pelo e-mail fbv@feirabrasileiradovarejo.com.br.

 

Negócios:  MRV lança 50º empreendimento no Rio Grande do Sul

Negócios: MRV lança 50º empreendimento no Rio Grande do Sul

Negócios Notícias
Consolidada com uma das maiores construtoras do Rio Grande do Sul, a MRV lançou, nos últimos dias, o empreendimento de número 50 no estado. Intitulado de Porto Itália, o residencial está localizado em Canoas próximo à Avenida Boqueirão, no Bairro Estância Velha. São 100 unidades à venda com valor médio de R$ 147 mil. O Valor Geral de Vendas (VGV) é de R$ 1.500.000,00.

PARQUEPORTOITALIA_BICICLETARIO_V03O empreendimento tem como público alvo jovens de 25 a 39 anos que estão buscando seu primeiro imóvel. As unidades estão distribuídas em cinco blocos e a previsão de entrega é de 24 meses após o lançamento. O condomínio contará com espaço gourmet, bicicletário, salão de festas, playground e estacionamento, além de Wi-Fi e energia solar nas áreas comuns.

Fundada em outubro de 1979, em Belo Horizonte, a MRV é a maior construtora residencial da América Latina e líder nacional no mercado de imóveis econômicos. Presente em mais de 150 cidades de 22 Estados e no Distrito Federal, a companhia tem como compromisso contribuir para o desenvolvimento e transformação social investindo nas comunidades onde atua, melhorando a qualidade de vida de seus habitantes. Somente nos últimos quatro anos, investiu mais de R$ 700 milhões em obras de infraestrutura, com a construção de parques, praças, escolas, creches, Unidades Básicas de Saúde, Estações de Tratamento de Esgoto, obras viárias, entre outros.

Com 49 empreendimentos lançados no Rio Grande do Sul, a MRV já soma 11.611 unidades vendidas e 6.575 unidades entregues. A média de vendas é de 250 apartamentos por mês.

FIERGS entrega a ministro Salles a Agenda de Meio Ambiente da Indústria. Documento identifica entraves legais enfrentados pelo setor na esfera ambiental bem como suas possíveis soluções

FIERGS entrega a ministro Salles a Agenda de Meio Ambiente da Indústria. Documento identifica entraves legais enfrentados pelo setor na esfera ambiental bem como suas possíveis soluções

Agenda Destaque Economia Negócios Notícias

A Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS) entregou ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, nessa sexta-feira (12), a Agenda de Meio Ambiente da Indústria Gaúcha com propostas da entidade para o setor. O documento, em 13 páginas, identifica entraves legais enfrentados na esfera ambiental e sugere ações capazes de desencadear “uma sólida agenda de crescimento econômico e social”. Salles se reuniu com industriais, no início da noite, na sede da FIERGS. “A pauta elaborada consolida que a preservação e recriação ambiental precisam dispor de uma dinâmica rápida e flexível para que possamos preservar também as indústrias, conservando os empregos, além de estimular a criação de novas empresas que resultarão em novas vagas de trabalho e novas oportunidades de renda, tendo por meta o desenvolvimento econômico sustentado”, afirmou o presidente em exercício da FIERGS, Gilberto Ribeiro. “Ninguém que defende a racionalidade do licenciamento ambiental o faz em detrimento do meio ambiente”, disse Salles. “Nosso papel é colocar segurança jurídica com previsibilidade na interpretação de normas ambientais, na aplicação dessas normas na defesa do meio ambiente sem prestigiar o excesso, a perseguição e o dogmatismo”, reforçou.

DUDU7715
Documento identifica entraves legais enfrentados pelo setor na esfera ambiental bem como suas possíveis soluções. Foto: Dudu Leal

O documento está dividido em oito pontos, com a análise do problema e a recomendação de soluções. O primeiro e prioritário é aprimorar o licenciamento ambiental. A FIERGS, em conjunto com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e demais Federações Industriais, trabalha para propor um marco legal que garanta segurança jurídica ao empreendedor e menos burocracia nos processos de licenciamento ambiental. O PL 3.729/04, que dispõe sobre o licenciamento ambiental, tramita na Câmara dos Deputados corrigindo os principais problemas do licenciamento enfrentados pela indústria. O substitutivo nº 13 contempla grande parte das medidas defendidas pela CNI para desburocratização e racionalização do processo. A FIERGS recomenda apoio do Poder Executivo na aprovação do PL 3.729/04, que trata da Lei Geral do Licenciamento.
As demais propostas incluídas no documento são as seguintes: afastar o conflito de normas que regram o uso do solo em áreas prioritárias do Bioma Pampa, revogar as resoluções do Conama que causam conflito com o atual Código Florestal, desburocratizar e desonerar o plantio de florestas, suspender temporariamente a obrigatoriedade do uso do Sinaflor, apoiar os acordos setoriais e estimular a cadeia de reciclagem e os setores produtivos obrigados à logística reversa, estimular a economia circular e, por fim, delimitar as áreas de preservação permanente localizadas em zonas urbanas conforme as peculiaridades e o interesse local.

A Associação de Logística Reversa e Embalagens (Aslore) também entregou um documento ao ministro, assinado pelo diretor da FIERGS Thômaz Nunnenkamp. Nele, é solicitada a reconsideração do despacho nº 02199/2018/Conjur-MMA/CGU/AGU com emissão de parecer definitivo posicionando-se a União no sentido de defesa do Acordo Setorial Nacional, manifestando-se sobre os pontos colocados nos requerimentos do Comitê Executivo da Coalizão Embalagens. Outro ponto importante destacado pela Aslore a ser considerado é a questão das metas que vêm sendo negociadas para a fase 2 do Acordo Setorial, para que seu aumento seja o mais gradual possível, adequado com a capacidade de recursos das empresas e coerente com o insuficiente cumprimento da responsabilidade de outros agentes. A reunião contou também com a presença do senador Luis Carlos Heinze e dos deputados Alceu Moreira e Jerônimo Goergen, além de dirigentes da FIERGS e do CIERGS e de sindicatos industriais filiados.