Emater/RS-Ascar estima prejuízos causados por chuvas no RS

Emater/RS-Ascar estima prejuízos causados por chuvas no RS

Agronegócio Comunicação Notícias

Levantamento feito pela Emater/RS-Ascar buscou captar os efeitos das chuvas excessivas, que chegaram a mais de 600 mm em alguns municípios do RS em apenas uma semana, especialmente na Campanha e Fronteira Oeste do Estado. “O levantamento aponta para prejuízos significativos, especialmente para alguns municípios e para agricultores de áreas mais baixas e próximas aos rios, que saíram do leito nesse período”, desta o diretor técnico da Instituição, Lino Moura.

Foram levantados dados de 52 municípios das regiões onde a intensidade das chuvas foi maior e onde prefeituras e entidades apontaram prejuízos mais significativos. Destes municípios, 16 decretaram situação de emergência.

O cultivo mais atingido foi o arroz irrigado, com 50.300 hectares alagados por rios e com perdas estimadas em 461 mil toneladas, totalizando R$ 342 milhões de prejuízo estimado. Avaliação mais consistente poderá ser feita após o retorno da normalidade dos níveis dos rios. Mais de 1.500 produtores foram atingidos pelo excesso de chuvas em 223 mil hectares, 22% da área cultivada com arroz no Estado. Além disto, nestas e em outras áreas poderão haver perdas pela falta de radiação/luminosidade no período, o que só poderá ser avaliado com a evolução das lavouras, pois em função das condições climáticas alguns tratos culturais, como adubação de cobertura e controle de doenças, ficaram prejudicados. A área total cultivada com arroz irrigado nesta área é 518 mil hectares, ou seja, mais da metade da área cultivada no RS.

Nas lavouras de soja destas mesmas regiões, que totalizam pouco mais de 1 milhão de hectares cultivados, estima-se que ocorreu prejuízos em 275 mil hectares, atingindo 1.950 produtores e ocasionando perdas de 339 mil toneladas que, a valores atuais, representa uma perda de R$ 435 milhões somente nestes 52 municípios. Municípios de outras regiões também terão perdas por falta de luminosidade e excesso de água no solo, mas ainda é cedo para uma avaliação mais consistente. O controle de pragas e doenças também foi prejudicado em alguns locais pelas chuvas e excesso de umidade no solo.

Na cultura do milho foram atingidos, nestas regiões, 13.500 hectares, com perdas de 14,2 mil toneladas, representando um prejuízo de R$ 9 milhões para 700 produtores atingidos.

Na fumicultura, 4.340 produtores foram atingidos, com estimava de perdas de 1.550 toneladas de produto. Além disso, outros 378 produtores tiveram prejuízos na produção de hortigranjeiros, em diversos cultivos.

Também é de salientar mais de 25.000 km de estradas danificadas e 301 comunidades foram identificadas com dificuldade de escoamento da produção, onde 537 produtores de leite foram prejudicados pelo não recolhimento da produção durante alguns dias, estimada em 625 mil litros de leite não recolhidos nestas regiões.

As atualizações das perdas serão feitas à medida que as águas baixarem e os prejuízos forem contabilizados.

RS: Arroz apresenta adequado desenvolvimento e condição fitossanitária boa

RS: Arroz apresenta adequado desenvolvimento e condição fitossanitária boa

Agronegócio Comunicação Destaque Notícias

Para a cultura do arroz, predomina no Estado a fase de desenvolvimento vegetativo com 68% das lavouras e 25% em floração. A cultura apresenta desenvolvimento normal e adequado, além de condição fitossanitária boa. De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado pela Emater/RS-Ascar, as lavouras mostram um bom stand de plantas e o vigor também é considerado satisfatório. As lavouras estão sendo manejadas com adubação em cobertura e irrigação, com aplicação de herbicidas pós-emergentes e fungicidas, além da segunda aplicação de cobertura com nitrogênio.

Nas regiões da Campanha e Fronteira Oeste, principalmente, o clima da última semana com chuvas intensas provocou alagamentos e enchentes em vários municípios da região. Decretaram situação de emergência os municípios de Alegrete, Bagé, Dom Pedrito, Lavras Do Sul, Quaraí, Rosário do Sul, São Gabriel e Uruguaiana. Os estragos na infraestrutura se deu em estradas, boeiros, pontilhões e pontes, além de perdas na agropecuária. Muitas lavouras de arroz e soja estão submersas, levando o setor a avaliar e quantificar perdas ocasionadas pelas enchentes. Em Maçambará, 10% do total da área de arroz plantada, de 16 mil hectares, está submerso. Em Manoel Viana, são em torno de 500 hectares e, em Uruguaiana, cerca de 6 mil hectares.

A cultura do milho no estado está principalmente no estágio de enchimento de grãos, variando nas regiões, onde na Região da Produção, a gramínea em sua maioria encontra-se na fase da formação de enchimento de grãos. Já nas áreas próximas ao Rio Uruguai houve início da colheita, mas avançou pouco na semana em função das chuvas. O bom desenvolvimento da cultura tem resultado em boa produtividade inicial, com expectativa de 8,4 mil kg/ha na região. O milho destinado para silagem apresenta oscilação no rendimento. No município de Catuípe, medições feitas mostraram as grandes diferenças entre lavouras, variando entre 25 e 70 t/ha, principalmente por fatores como fertilidade do solo, adubação, variedade e densidade. O milho safrinha está sendo implantado no estado, principalmente em áreas que tiveram colheita da cultura do fumo e do feijão 1ª safra.

O clima com chuvas generalizadas no período, associado às altas temperaturas, proporcionaram um bom crescimento e desenvolvimento da soja. O crescimento rápido preencheu os espaços em áreas que ficaram com baixa densidade, finalizando, assim, as pulverizações de herbicidas em pós-emergência para controle de ervas daninhas. No geral, o desenvolvimento está normal. No entanto, na Região da Produção, os problemas no plantio apresentam um atraso no desenvolvimento das lavouras, comparado aos anos de normalidade na instalação da cultura. Quanto aos estádios fenológicos da soja, a maior parte das lavouras do estado está em desenvolvimento vegetativo, 35% das áreas está em floração e 12% em início da granação.

Os tratos culturais com fungicida foram intensos, visando a prevenir a ocorrência de doenças, especialmente da ferrugem asiática, devido à constatação de focos no estado. A entrada em algumas lavouras foi dificultada pela alta umidade. Essa atividade de aplicação fungicida deverá seguir pelos próximos 45 dias, variando entre lavouras e nos intervalos recomendados entre uma aplicação e outra, acarretando um aumento de aplicações de fungicidas nesta safra. Em relação aos ataques do tamanduá da soja e de lagartas, estes diminuíram em relação à semana anterior, embora com algumas aplicações de inseticidas. Cultivares de soja super precoces de ciclo indeterminado serão colhidos em final de janeiro, possibilitando o plantio de safrinha.

A colheita do feijão 1ª safra está se encaminhando para o final, com 42% da área estimada para o estado colhida. Está finalizada nas regiões ao Norte do e em outras se encaminha para o final. No geral, a safra obteve produtividade boa, com exceção nas regiões do Rio da Várzea e do Médio Alto Uruguai, onde, em função de chuvas excessivas no momento da floração, a produtividade totalizou uma tonelada por hectare. Áreas novas estão sendo implantadas, representando 20% das áreas em germinação e desenvolvimento vegetativo. Na Fronteira Noroeste e Missões, as últimas chuvas estão beneficiando o plantio das lavouras de safrinha, propiciando uma boa germinação e um bom desenvolvimento vegetativo.

RS: Pecuaristas se dividem sobre vacina da aftosa

RS: Pecuaristas se dividem sobre vacina da aftosa

Agronegócio Comunicação Economia Negócios Notícias

Um encontro realizado no Sindicato Rural de Dom Pedrito, ontem, debateu os ganhos e riscos da retirada da vacinação contra a febre aftosa no Estado e teve como palestrantes o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), Antônio Camardelli, e o ex-presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária, José Fernando Dora. Não houve consenso entre o grupo sobre o que é melhor para o Estado, mas segundo Rodrigo Coradini, presidente em exercício do sindicato, a maioria dos presentes se posiciona contra a retirada antecipada. O fim da vacinação nacional está previsto para 2023. “Eu confesso que ainda não tenho certeza sobre o que é melhor. Foi justamente para entender questões técnicas de sanidade e de mercado que fizemos o evento. Mas aqui ainda é muito forte o trauma de Joia, quando em 2000 houve aquele abate de gado em massa. Então, a maioria se posiciona contra a retirada”, explica Coradini.

Leia mais no Jornal do Comércio

Porto Alegre: Bairro Belém Velho recebe a 28ª Festa da Uva e da Ameixa

Porto Alegre: Bairro Belém Velho recebe a 28ª Festa da Uva e da Ameixa

Agenda Agronegócio Cidade Notícias
A 28ª Festa da Uva e da Ameixa de Porto Alegre prossegue neste domingo, 13. Um dos mais tradicionais eventos do calendário da cidade, ocorre no CTG Estância da Figueira, na rua Doutor Vergara, 5.345, bairro Belém Velho. Presente na abertura da festa o vice-prefeito Gustavo Paim destacou a importância dos produtores rurais e o quanto contribuem com a qualidade de vida e a economia da cidade. “Sou produtor rural, e sei bem das dificuldades deste importante segmento e o quão difícil é ser um produtor rural em uma metrópole como Porto Alegre. A zona rural é o pulmão da nossa Capital, somos privilegiados pelo esforço dos produtores de nos proporcionar estes alimentos de alta qualidade”, finaliza Paim.

A festividade acontece nos dias 19 e 20 de janeiro, das 9h às 20h. O evento tem entrada gratuita e conta com bancas para comercialização de frutas, flores, artesanato, além de apresentações musicais e danças. A Festa da Uva e da Ameixa é uma realização dos produtores rurais, da Associação Comunitária Belém Velho (Ascobev) e do CTG Estância da Figueira, com o apoio institucional da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE), Emater/Ascar e do Sindicato Rural de Porto Alegre.

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Eduardo Cidade, frisou a parceria do executivo com os produtores em prol da valorização da atividade agrícola na Capital. “Os produtores rurais são importantes neste processo, não só para o sustento das suas famílias, mas também para o desenvolvimento econômico de Porto Alegre. Em parceria, queremos ampliar o número de famílias produtoras para a próxima edição da festa da uva e da ameixa” comenta Cidade.

A previsão é que a safra deste ano chegará a 120 toneladas de uva e 100 toneladas de ameixa. Segundo o Sindicato Rural, a capital contabiliza 760 produtores de diversos produtos cadastrados. Estes produtores recebem a assistência dos técnicos do Centro Agrícola Demonstrativo (CAD) da SMDE e da Emater. As frutas também são comercializadas na área central da cidade para facilitar o acesso ao consumidor e o escoamento da safra. Os produtos estão na Praça Parobé, ao lado do Largo Glênio Peres, no Centro Histórico. A feira funciona durante o mês de janeiro e fevereiro, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h.

A abertura oficial da 28ª Festa da Uva e da Ameixa contou com a presença do vice-prefeito de Porto Alegre Gustavo Paim; secretário municipal de Desenvolvimento Econômico Eduardo Cidade; secretária municipal de Desenvolvimento Social Nádia Gerhard; deputado federal Maurício Dziedricki; deputados estaduais Sebastião Melo, Dr. Thiago Duarte e Adolfo Brito, além de representantes da Emater/Ascar, Sindicato Rural de Porto Alegre, Associação Comunitária do Belém Velho e do CTG Estância da Figueira.

Origem – Ainda que o evento realizado em Caxias do Sul seja mais conhecido, a primeira Festa da Uva do Estado foi realizada em 1910 em Porto Alegre, enquanto que na Serra iniciou-se em 1931, nos salões do Recreio da Juventude. Realizada em janeiro, a festa da Capital acontece cerca de 30 dias antes da de Caxias em função do microclima, que oportuniza a antecipação do período de colheita.

Linha Turismo – Quem quiser vivenciar uma experiência diferenciada poderá optar por acessar a Festa da Uva e da Ameixa por meio do ônibus Linha Turismo, que fará paradas de 20 minutos no local da festa. O valor do ônibus Linha Turismo é R$ 30 (a ser pago exclusivamente no local do embarque). Para mais informações faça contato pelo telefone (51) 3289-6765. O passeio estará condicionado à lotação mínima de dez passageiros, podendo ser cancelado por mau tempo.

Industrial gaúcho termina o ano com confiança recorde

Industrial gaúcho termina o ano com confiança recorde

Agronegócio Destaque Economia Negócios

O industrial gaúcho termina 2018 com a expectativa em alta. Aos 65,5 pontos, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS), em dezembro, permaneceu estável em relação a novembro, quando havia registrado aumento recorde de 10,6 pontos. Desde o início da serie histórica, em 2010, nunca os empresários do RS encerraram um ano tão otimistas. “A elevada confiança indica para a aceleração da atividade do setor no primeiro semestre de 2019”, prevê o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry.

O Índice de Condições Atuais (ICA) ratifica a melhora do cenário apontada em novembro, quando saltou 8,8 pontos e passou ao terreno positivo (56 pontos), crescendo novamente para 57,1, em dezembro, o maior valor para o último mês do ano da série histórica. O Índice de Condições da Economia Brasileira (ICA-EB) foi o subcomponente de maior crescimento e melhor avaliação: 3,3 pontos, alcançando 58. Já o Índice de Condições Atuais das Empresas (ICA-E) ficou praticamente estável em 56,5 pontos. A estabilidade da confiança industrial decorre da combinação de melhora da avaliação das condições atuais e uma ligeira queda das expectativas. O ICEI-RS varia de zero a 100 pontos, sendo que, acima de 50, revela confiança, condições melhores e expectativas otimistas.
Também em relação aos próximos seis meses, os empresários industriais do Estado permanecem otimistas. O Índice de Expectativas (IE) passou de 70,2 em novembro para 69,8 pontos em dezembro, mas continua bem acima da marca divisória de 50 pontos e da média histórica (56). Os empresários gaúchos finalizam o ano otimistas com o futuro da economia brasileira (o índice foi 69,3 pontos em dezembro, ante 69,8 em novembro) e das suas empresas (70,4 pontos nos dois meses).  Para o ICEI-RS de dezembro, a FIERGS consultou 215 empresas, sendo 56 pequenas, 74 médias e 85 grandes, no período de 1º a 12 de dezembro. Mais informações em http://fiergs.org.br/pt-br/economia/indicador-economico/icei.
 

RS: Farsul promove evento sobre Liderança, Tecnologia e Sustentabilidade e entrega Troféu Destaque Feminino Rural 2018 nesta segunda-feira

RS: Farsul promove evento sobre Liderança, Tecnologia e Sustentabilidade e entrega Troféu Destaque Feminino Rural 2018 nesta segunda-feira

Agenda Agronegócio Destaque Economia Negócios

A Farsul promove nesta segunda-feira, 3 de dezembro, a partir das 9h, em seu auditório, na Praça Saint Pastous, a 98ª etapa do Fórum Permanente do Agronegócio, que terá como tema Liderança, Tecnologia e Sustentabilidade.

O presidente da Farsul, Gedeão Pereira, fará a abertura oficial do evento.

Programação:

Manhã 09h – Inscrição

10h – Painel Startups Pecuária – BRABOV Matheus Zeuch

Armazenagem – SILO VERDE – Manolo Machado

Pulverização com Drone – ARPAC Eduardo Goerl

Preservação da água com sistema de irrigação – RAKS Fabiane Kuhn

Mediador Carlos Eduardo Aranha

11h45 – Caso de Sucesso

Ines Schertel – Designer têxtil

13h – Almoço

Programação: Tarde

14h – Abertura: Gedeão Silveira Pereira Presidente do Sistema Farsul

15h – Programa Deriva Zero: Eduardo Condorelli Assessor Desenvolvimento Sustentável FARSUL

16h – “Agradeça aos agrotóxicos por estar vivo”: Nicolas Vital Jornalista

17h30 – “Liderança Feminina” :Carla Rosana de Freitas Produtora rural

19h -Entrega do Troféu Destaque Feminino Rural

 

47325843_2255155811390646_2456031521564262400_n

Bolsonaro diz que não fará acordos que prejudiquem agronegócio. A declaração é uma resposta à fala do presidente francês no G20

Bolsonaro diz que não fará acordos que prejudiquem agronegócio. A declaração é uma resposta à fala do presidente francês no G20

Agronegócio Destaque Economia

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse hoje (30) que não pretende assumir compromissos ambientais que impactem o agronegócio brasileiro. A resposta foi uma reação às declarações do presidente francês, Emmanuel Macron, que condicionou o avanço das negociações entre a União Europeia (UE) e o Mercosul à posição do governo eleito sobre o Acordo Climático de Paris. “O Macron está defendendo a França. Esse acordo Mercosul com a União Europeia atinge interesses da França, um país voltado também para o agronegócio. A partir do momento que querem diminuir a quantidade de exportáveis nossos, essas commodities, logicamente que não podem contar com o nosso apoio. Mas não é um não em definitivo, nós vamos negociar”, ressaltou Bolsonaro, após participar da cerimônia de formatura de sargentos da Força Aérea em Guaratinguetá, interior paulista. Macron disse ontem (29) que irá apoiar a parceria comercial se ela não significar um desequilíbrio nas condições comerciais entre os países. “Não podemos pedir aos agricultores e trabalhadores franceses que mudem seus hábitos de produção para liderar a transição ecológica e assinar acordos comerciais com países que não fazem o mesmo. Queremos acordos equilibrados.”

No Twitter, Bolsonaro já tinha postado uma mensagem afirmando que “está fora de cogitação” o país se sujeitar automaticamente a interesses de outras nações. “Sujeitar automaticamente nosso território, leis e soberania a colocações de outras nações está fora de cogitação. É legítimo que países no mundo defendam seus interesses e estaremos dispostos a dialogar sempre, mas defenderemos os interesses do Brasil e dos brasileiros”, disse em mensagem na rede social.

Negociações
A União Europeia e o Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai – a Venezuela está temporariamente suspensa) negociam o acordo, há quase 20 anos, com base em três pilares: diálogo político, cooperação e o livre-comércio.

Bolsonaro disse que foi aconselhado pelo futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, a ter cautela nas negociações. “Ele nos recomendou a ter um pouco mais de prudência para que o Brasil não perca mercado aí fora”, acrescentou.

O presidente eleito ressaltou que pretende fazer mudanças na política ambiental para evitar prejuízos aos produtores. “O que nós queremos é uma política ambiental para preservar o meio ambiente, mas não de forma xiita como é feito atualmente. Vamos acabar com a indústria da multa nesse setor.”

Indulto
Bolsonaro reiterou hoje que não pretende conceder indulto natalino a condenados por crimes de menor potencial ofensivo.

“Não é apenas a questão de corrupção, qualquer criminoso tem que cumprir a sua pena de forma integral. É essa nossa política que eu acertei com o [juiz federal] Sergio Moro [confirmado para o Ministério da Justiça]. Se não houve punição ou a punição for extremamente branda, é um convite a criminalidade.”

O texto, geralmente preparado pelo Ministério da Justiça, é assinado anualmente, em dezembro, pelo presidente da República. O indulto de Natal considera, em geral, razões humanitárias. Está previsto na Constituição, mas não é obrigatório.

Ontem (29), a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou a favor da validade do decreto de indulto natalino editado pelo presidente Michel Temer no ano passado. No entanto, o julgamento foi suspenso por pedidos de vista dos ministros Dias Tofffoli e Lux Fux. (Agência Brasil)

Vencedora do Master Chef grava série especial no Mercado Público de Porto Alegre. Maria Antonia apresenta em seu canal do Youtube a variedade gastronômica do local

Vencedora do Master Chef grava série especial no Mercado Público de Porto Alegre. Maria Antonia apresenta em seu canal do Youtube a variedade gastronômica do local

Agronegócio Cidade Comportamento Destaque Direito do Consumidor Economia Gastronomia Negócios Turismo Vídeo

 

A vencedora do principal reality show gastronômico do país, Maria Antonia Russi, decidiu mostrar para seus fãs do Brasil a diversidade de produtos que são comercializados no Mercado Público de Porto Alegre. Além de ser um belíssimo prédio histórico, localizado no coração da capital gaúcha, o local é referência para quem procura produtos de qualidade.

“Muitas vezes preciso de insumos diferenciados para preparar uma receita e sempre recorro ao Mercado Público. Lá tenho a certeza que vou encontrar tudo o que preciso e ainda rende um ótimo passeio. Por isso gravei os programas para que pessoas de outros Estados pudessem conhecer mais sobre esse lugar que faz parte do meu dia-a-dia”, ressalta.

Para assistir à série, clique aqui e acesse o canal Chef Maria Antonia no Youtube e conferir todos os episódios. Os vídeos novos são postados sempre às terças e sextas.

Bolsonaro indica Deputada Tereza Cristina para o Ministério da Agricultura

Bolsonaro indica Deputada Tereza Cristina para o Ministério da Agricultura

Agronegócio Destaque

Durante encontro com o presidente eleito Jair Bolsonaro, a bancada ruralista indicou nesta quarta-feira a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), 64 anos, para ser a ministra da Agricultura. Se confirmada, ela será a primeira mulher escolhida por Bolsonaro para integrar o governo que começa em 2019. O deputado federal Nelson Marquezelli (PTB-SP) confirmou a sugestão.

À tarde, Bolsonaro confirmou a indicação:

Jair M. Bolsonaro

@jairbolsonaro

Boa noite! Informo a todos a indicação da senhora Tereza Cristina da Costa Dias, Presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, ao posto de Ministra da Agricultura.

A indicação foi feita por um grupo de 20 integrantes da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), em reunião no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, onde funciona o gabinete de transição de governo. A bancada ruralista no Congresso Nacional reúne aproximadamente 260 parlamentares.

Engenheira agrônoma e empresária, Tereza Cristina é presidente da FPA e tem uma longa trajetória no setor. Ela foi secretária de Desenvolvimento Agrário da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo de Mato Grosso do Sul durante o governo de André Puccinelli (MDB).

Neste ano, Tereza Cristina foi uma das lideranças que defenderam a aprovação do Projeto de Lei 6.299, que flexibiliza as regras para fiscalização e aplicação de agrotóxicos no país.

Durante a campanha e depois de eleito, Bolsonaro fez várias defesas do agronegócio e dos investimentos no campo. Ele chegou a anunciar a fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, mas depois afirmou que a questão ainda não está definida.

Na terça o presidente eleito disse que as negociações para a escolha do nome para o Ministério da Agricultura era uma dos mais avançadas e que poderia ser divulgada ainda nesta semana.

Jair Bolsonaro já confirmou os nomes de Paulo Guedes, para Economia; Sergio Moro, para Justiça; Onyx Lorenzoni, para Casa Civil; Marcos Pontes, para Ciência e Tecnologia; e o general Augusto Heleno, para o Gabinete de Segurança Institucional. (Agência Brasil)

SENAR-RS lança cartilha e palestra sobre saúde do homem no Novembro Azul

SENAR-RS lança cartilha e palestra sobre saúde do homem no Novembro Azul

Agenda Agronegócio Comportamento Comunicação Notícias Saúde

 

A saúde do homem é o tema de uma nova palestra que está sendo preparada pelo SENAR-RS. O conteúdo fará a sua estreia no dia 7 de novembro, em Palmeira das Missões. A proposta está inserida no contexto do novembro azul, mês que busca lembrar a importância dos cuidados preventivos em relação ao câncer de próstata. No dia 22 de novembro, a palestra será levada aos municípios de Três de Maio, no turno da manhã, e Alegria, na parte da tarde.

Além da palestra, o SENAR-RS elaborou uma cartilha de bolso que traz orientações sobre higiene, prevenção, exames e tratamos que lidam com questões de saúde que são específicas aos homens. No entanto, a proposta é abrir o espaço para que tanto homens quanto mulheres possam participar, já que frequentemente são as mulheres que incentivam os homens a cuidar da própria saúde e a consultar médicos em caráter preventivo.

Se descoberto na sua fase inicial, o câncer de próstata tem 95% de chance de cura e o tratamento é bem menos complexo do que aquele aplicado em estágios avançados da doença. Por apresentar sintomas tardiamente, é necessário que os homens façam exames preventivos a partir dos 50 anos, ou até mesmo mais cedo caso estejam em algum dos grupos mais suscetíveis à doença.