RS: Farsul promove evento sobre Liderança, Tecnologia e Sustentabilidade e entrega Troféu Destaque Feminino Rural 2018 nesta segunda-feira

RS: Farsul promove evento sobre Liderança, Tecnologia e Sustentabilidade e entrega Troféu Destaque Feminino Rural 2018 nesta segunda-feira

Agenda Agronegócio Destaque Economia Negócios

A Farsul promove nesta segunda-feira, 3 de dezembro, a partir das 9h, em seu auditório, na Praça Saint Pastous, a 98ª etapa do Fórum Permanente do Agronegócio, que terá como tema Liderança, Tecnologia e Sustentabilidade.

O presidente da Farsul, Gedeão Pereira, fará a abertura oficial do evento.

Programação:

Manhã 09h – Inscrição

10h – Painel Startups Pecuária – BRABOV Matheus Zeuch

Armazenagem – SILO VERDE – Manolo Machado

Pulverização com Drone – ARPAC Eduardo Goerl

Preservação da água com sistema de irrigação – RAKS Fabiane Kuhn

Mediador Carlos Eduardo Aranha

11h45 – Caso de Sucesso

Ines Schertel – Designer têxtil

13h – Almoço

Programação: Tarde

14h – Abertura: Gedeão Silveira Pereira Presidente do Sistema Farsul

15h – Programa Deriva Zero: Eduardo Condorelli Assessor Desenvolvimento Sustentável FARSUL

16h – “Agradeça aos agrotóxicos por estar vivo”: Nicolas Vital Jornalista

17h30 – “Liderança Feminina” :Carla Rosana de Freitas Produtora rural

19h -Entrega do Troféu Destaque Feminino Rural

 

47325843_2255155811390646_2456031521564262400_n

Bolsonaro diz que não fará acordos que prejudiquem agronegócio. A declaração é uma resposta à fala do presidente francês no G20

Bolsonaro diz que não fará acordos que prejudiquem agronegócio. A declaração é uma resposta à fala do presidente francês no G20

Agronegócio Destaque Economia

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse hoje (30) que não pretende assumir compromissos ambientais que impactem o agronegócio brasileiro. A resposta foi uma reação às declarações do presidente francês, Emmanuel Macron, que condicionou o avanço das negociações entre a União Europeia (UE) e o Mercosul à posição do governo eleito sobre o Acordo Climático de Paris. “O Macron está defendendo a França. Esse acordo Mercosul com a União Europeia atinge interesses da França, um país voltado também para o agronegócio. A partir do momento que querem diminuir a quantidade de exportáveis nossos, essas commodities, logicamente que não podem contar com o nosso apoio. Mas não é um não em definitivo, nós vamos negociar”, ressaltou Bolsonaro, após participar da cerimônia de formatura de sargentos da Força Aérea em Guaratinguetá, interior paulista. Macron disse ontem (29) que irá apoiar a parceria comercial se ela não significar um desequilíbrio nas condições comerciais entre os países. “Não podemos pedir aos agricultores e trabalhadores franceses que mudem seus hábitos de produção para liderar a transição ecológica e assinar acordos comerciais com países que não fazem o mesmo. Queremos acordos equilibrados.”

No Twitter, Bolsonaro já tinha postado uma mensagem afirmando que “está fora de cogitação” o país se sujeitar automaticamente a interesses de outras nações. “Sujeitar automaticamente nosso território, leis e soberania a colocações de outras nações está fora de cogitação. É legítimo que países no mundo defendam seus interesses e estaremos dispostos a dialogar sempre, mas defenderemos os interesses do Brasil e dos brasileiros”, disse em mensagem na rede social.

Negociações
A União Europeia e o Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai – a Venezuela está temporariamente suspensa) negociam o acordo, há quase 20 anos, com base em três pilares: diálogo político, cooperação e o livre-comércio.

Bolsonaro disse que foi aconselhado pelo futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, a ter cautela nas negociações. “Ele nos recomendou a ter um pouco mais de prudência para que o Brasil não perca mercado aí fora”, acrescentou.

O presidente eleito ressaltou que pretende fazer mudanças na política ambiental para evitar prejuízos aos produtores. “O que nós queremos é uma política ambiental para preservar o meio ambiente, mas não de forma xiita como é feito atualmente. Vamos acabar com a indústria da multa nesse setor.”

Indulto
Bolsonaro reiterou hoje que não pretende conceder indulto natalino a condenados por crimes de menor potencial ofensivo.

“Não é apenas a questão de corrupção, qualquer criminoso tem que cumprir a sua pena de forma integral. É essa nossa política que eu acertei com o [juiz federal] Sergio Moro [confirmado para o Ministério da Justiça]. Se não houve punição ou a punição for extremamente branda, é um convite a criminalidade.”

O texto, geralmente preparado pelo Ministério da Justiça, é assinado anualmente, em dezembro, pelo presidente da República. O indulto de Natal considera, em geral, razões humanitárias. Está previsto na Constituição, mas não é obrigatório.

Ontem (29), a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou a favor da validade do decreto de indulto natalino editado pelo presidente Michel Temer no ano passado. No entanto, o julgamento foi suspenso por pedidos de vista dos ministros Dias Tofffoli e Lux Fux. (Agência Brasil)

Vencedora do Master Chef grava série especial no Mercado Público de Porto Alegre. Maria Antonia apresenta em seu canal do Youtube a variedade gastronômica do local

Vencedora do Master Chef grava série especial no Mercado Público de Porto Alegre. Maria Antonia apresenta em seu canal do Youtube a variedade gastronômica do local

Agronegócio Cidade Comportamento Destaque Direito do Consumidor Economia Gastronomia Negócios Turismo Vídeo

 

A vencedora do principal reality show gastronômico do país, Maria Antonia Russi, decidiu mostrar para seus fãs do Brasil a diversidade de produtos que são comercializados no Mercado Público de Porto Alegre. Além de ser um belíssimo prédio histórico, localizado no coração da capital gaúcha, o local é referência para quem procura produtos de qualidade.

“Muitas vezes preciso de insumos diferenciados para preparar uma receita e sempre recorro ao Mercado Público. Lá tenho a certeza que vou encontrar tudo o que preciso e ainda rende um ótimo passeio. Por isso gravei os programas para que pessoas de outros Estados pudessem conhecer mais sobre esse lugar que faz parte do meu dia-a-dia”, ressalta.

Para assistir à série, clique aqui e acesse o canal Chef Maria Antonia no Youtube e conferir todos os episódios. Os vídeos novos são postados sempre às terças e sextas.

Bolsonaro indica Deputada Tereza Cristina para o Ministério da Agricultura

Bolsonaro indica Deputada Tereza Cristina para o Ministério da Agricultura

Agronegócio Destaque

Durante encontro com o presidente eleito Jair Bolsonaro, a bancada ruralista indicou nesta quarta-feira a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), 64 anos, para ser a ministra da Agricultura. Se confirmada, ela será a primeira mulher escolhida por Bolsonaro para integrar o governo que começa em 2019. O deputado federal Nelson Marquezelli (PTB-SP) confirmou a sugestão.

À tarde, Bolsonaro confirmou a indicação:

Jair M. Bolsonaro

@jairbolsonaro

Boa noite! Informo a todos a indicação da senhora Tereza Cristina da Costa Dias, Presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, ao posto de Ministra da Agricultura.

A indicação foi feita por um grupo de 20 integrantes da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), em reunião no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, onde funciona o gabinete de transição de governo. A bancada ruralista no Congresso Nacional reúne aproximadamente 260 parlamentares.

Engenheira agrônoma e empresária, Tereza Cristina é presidente da FPA e tem uma longa trajetória no setor. Ela foi secretária de Desenvolvimento Agrário da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo de Mato Grosso do Sul durante o governo de André Puccinelli (MDB).

Neste ano, Tereza Cristina foi uma das lideranças que defenderam a aprovação do Projeto de Lei 6.299, que flexibiliza as regras para fiscalização e aplicação de agrotóxicos no país.

Durante a campanha e depois de eleito, Bolsonaro fez várias defesas do agronegócio e dos investimentos no campo. Ele chegou a anunciar a fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, mas depois afirmou que a questão ainda não está definida.

Na terça o presidente eleito disse que as negociações para a escolha do nome para o Ministério da Agricultura era uma dos mais avançadas e que poderia ser divulgada ainda nesta semana.

Jair Bolsonaro já confirmou os nomes de Paulo Guedes, para Economia; Sergio Moro, para Justiça; Onyx Lorenzoni, para Casa Civil; Marcos Pontes, para Ciência e Tecnologia; e o general Augusto Heleno, para o Gabinete de Segurança Institucional. (Agência Brasil)

SENAR-RS lança cartilha e palestra sobre saúde do homem no Novembro Azul

SENAR-RS lança cartilha e palestra sobre saúde do homem no Novembro Azul

Agenda Agronegócio Comportamento Comunicação Notícias Saúde

 

A saúde do homem é o tema de uma nova palestra que está sendo preparada pelo SENAR-RS. O conteúdo fará a sua estreia no dia 7 de novembro, em Palmeira das Missões. A proposta está inserida no contexto do novembro azul, mês que busca lembrar a importância dos cuidados preventivos em relação ao câncer de próstata. No dia 22 de novembro, a palestra será levada aos municípios de Três de Maio, no turno da manhã, e Alegria, na parte da tarde.

Além da palestra, o SENAR-RS elaborou uma cartilha de bolso que traz orientações sobre higiene, prevenção, exames e tratamos que lidam com questões de saúde que são específicas aos homens. No entanto, a proposta é abrir o espaço para que tanto homens quanto mulheres possam participar, já que frequentemente são as mulheres que incentivam os homens a cuidar da própria saúde e a consultar médicos em caráter preventivo.

Se descoberto na sua fase inicial, o câncer de próstata tem 95% de chance de cura e o tratamento é bem menos complexo do que aquele aplicado em estágios avançados da doença. Por apresentar sintomas tardiamente, é necessário que os homens façam exames preventivos a partir dos 50 anos, ou até mesmo mais cedo caso estejam em algum dos grupos mais suscetíveis à doença.

Gedeão Silveira Pereira é eleito presidente da Farsul

Gedeão Silveira Pereira é eleito presidente da Farsul

Agronegócio Destaque Poder Política

A 42ª eleição realizada pela Farsul desde sua fundação, em 1927, conduziu Gedeão Silveira Pereira à presidência da Federação. Dos 137 sindicatos aptos a votar, 119 compareceram e apenas um votou em branco. O pleito foi realizado nesta quarta-feira, dia 31, e elegeu a próxima diretoria responsável pela gestão da federação de agricultura mais antiga do país, com 91 anos. O mandato de Gedeão inicia no dia primeiro de janeiro de 2019 e vai até 31 de dezembro de 2021.

Gedeão será o 24º presidente da Farsul. Ele, juntamente com mais trinta diretores, todos produtores rurais, terão a responsabilidade de defender os interesses setoriais, representando milhares de produtores rurais do estado. É missão da Farsul, honrar a vocação de produzir, de defender o direito de propriedade, a livre iniciativa, a economia de mercado e os interesses do País.
Médico veterinário, formado em 1971 pela Universidade Federal de Santa Maria, Gedeão Silveira Pereira é produtor rural, proprietário e administrador da Estância Santa Maria com produções de Pecuária de Corte (raças hereford e polled hereford) com manejo em pastagens de azévem, trevo e cornichão e agricultura de arroz, soja e sorgo e florestamento de eucaliptos. Já realizando viagens de estudos em pecuária à Nova Zelândia, Austrália, USA, Argentina, Chile, Paraguai, França, Espanha e Rússia.

Foi diretor da Associação Brasileira de Criadores de Hereford e Braford e presidente do Sindicato/Associação Rural de Bagé por dois mandatos. Presidiu a Comissão de Assuntos Fundiários da Farsul, onde, também, foi vice-presidente por quatro mandatos e vice-presidente da CNA. Preside a Federação, desde dezembro de 2017, após o falecimento de Carlos Sperotto. Pela mesma razão, é presidente do Sebrae/RS e vice-presidente do Fundesa. É o responsável pelas negociações de comércio exterior da CNA e presidente do Fórum Mercosul da Carne.

Ruralistas visitam Bolsonaro, admitem rever fusão dos ministérios da Agricultura e Meio Ambiente; por  Bernardo Mello/O Globo

Ruralistas visitam Bolsonaro, admitem rever fusão dos ministérios da Agricultura e Meio Ambiente; por Bernardo Mello/O Globo

Agronegócio Notícias Poder Política

Um grupo de empresários do agronegócio fez uma visita ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) na manhã desta quarta-feira, em sua residência na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Segundo o presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antonio Nabhan Garcia, o grupo, com cerca de 40 pessoas, representa produtores de vários segmentos da agricultura e da pecuária de “praticamente todos os estados”. Após o encontro, Nabhan admitiu rever a proposta de fundir os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente. Os ruralistas também pedem a revisão de alguns pontos do Acordo de Paris, compromisso internacional ratificado pelo Brasil em setembro de 2016.

Antes do encontro, Nabhan afirmou que o grupo veio reiterar seu apoio a Bolsonaro e reforçar “algumas demandas importantes”, como o direito à propriedade para produtores rurais, e que o BNDES não atenda “só os amigos do rei”.

O presidente da UDR desconversou sobre sua eventual indicação para Ministro da Agricultura – durante a campanha, seu nome chegou a ser cotado para a pasta.  Segundo ele, sua visita a Bolsonaro não se deve por “ambições pessoais”. Ao chegar à casa de Bolsonaro, Nabhan disse que vê com bons olhos uma possível fusão entre os ministérios da Agricultura e do Meio-Ambiente. Para ele, a fusão entre as pastas não representaria uma flexibilização dos limites de desmatamento.

– Não temos objetivo de obter um alvará de impunidade. Temos uma legislação. Quem cometer alguma infração tem que ser punido – afirmou.

 

A reportagem completa está em O Globo.

Farsul vai ao Ministério da Fazenda para buscar solução para a reposição de dívidas agrícolas

Farsul vai ao Ministério da Fazenda para buscar solução para a reposição de dívidas agrícolas

Agronegócio Destaque Economia

Nesta quinta-feira, dia 25,  o economista-chefe do Sistema Farsul, Antônio da Luz. será recebido pelo secretário-adjunto de Política Agrícola, Inclusão Produtiva e Meio Ambiente, Ivandré Montiel da Silva, para tratar do não cumprimento do acordo de reposição de dívidas agrícolas. Alguns agentes financeiros não estão realizando as revisões dos contratos, especialmente daqueles produtores que tiveram perdas por problemas climáticos. Nos casos dos bancos de fábricas, já há situações de busca e apreensão de bens sem que a renegociação tenha sido realizada.

O encontro acontece na sede do Ministério, em Brasília, às 14h30 e contará, também, com a presença de representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e agentes financeiros.

Capacitação em motivação é tema de treinamento no SENAR-RS

Capacitação em motivação é tema de treinamento no SENAR-RS

Agenda Agronegócio Educação Notícias

Até a próxima sexta-feira, Instrutores do SENAR-RS estão passando por uma capacitação com o tema “motivação e didática”. O objetivo é conversar sobre as ferramentas utilizadas para levar conhecimento aos alunos e aprimorar as técnicas didáticas empregadas nos cursos e palestras promovidos pelo SENAR-RS. Duas turmas estão realizando a capacitação nesta semana, cada uma com cerca de 20 pessoas.

Segundo uma das participantes,  a instrutora Eliana Lucas, a oportunidade de troca de experiências e as dinâmicas de grupo têm motivado os participantes do seminário a buscar novas formas de manter os alunos interessados e de passar o conhecimento em condições muitas vezes desafiadoras: “O ambiente rural é diferente do ambiente urbano. Há locais em que os instrutores encontra condições incertas, como, por exemplo, falta de energia elétrica para a transmissão de um conteúdo multimídia. Por isso, o instrutor precisará de motivação e criatividade para dar ao aluno a melhor experiência de aula, mesmo que encontre alguma limitação. Aqui, estamos aprendendo diferentes formas de encantar os alunos”.

A capacitação conta com 20 horas de aulas divididas em três dias. Os instrutores que realizam o treinamento vieram da administração central do SENAR em Brasília. O curso está sendo promovido em Porto Alegre.

Empresa gaúcha vendia equipamentos agrícolas superfaturados ao braço agrícola da estatal venezuelana; esquema rendeu mais de R$ 80 milhões que alimentaram contas secretas na Suíça de funcionários do alto escalão da empresa

Empresa gaúcha vendia equipamentos agrícolas superfaturados ao braço agrícola da estatal venezuelana; esquema rendeu mais de R$ 80 milhões que alimentaram contas secretas na Suíça de funcionários do alto escalão da empresa

Agronegócio Destaque Mundo

Dirigentes chavistas usaram um esquema no Brasil para desviar mais de R$ 80 milhões para contas secretas na Suíça. Documentos obtidos pelo Estado mostram que o esquema envolvia a exportação de insumos e máquinas agrícolas superfaturados para a Venezuela. A diferença de valores foi parar no bolso de diretores de estatais venezuelanas e alimentou pelos menos quatro empresas offshore.

No centro do esquema está a PDVSA Agrícola, braço da gigante do setor de petróleo que expandiu sua atuação para outros setores da economia durante a presidência de Hugo Chávez. O dinheiro obtido com as vendas foi enviado para contas secretas em Genebra. Agora, procuradores de Porto Alegre e de Berna cooperam para rastrear e bloquear a quantia. Investigadores suspeitam que a fraude seja apenas “a ponta de um iceberg”. Novas análises, ainda sigilosas, indicam mais dois esquemas de fraude que repetem o mesmo padrão.

O processo começou em 2014, quando a Receita Federal suspeitou de um súbito crescimento de uma empresa de Passo Fundo (RS). Entre 2010 e 2011, a receita da América Trading aumentou de R$ 13 milhões para R$ 251 milhões com exportações de produtos agrícolas para a Venezuela.

Segundo a Polícia Federal, a América Trading havia conseguido um contrato para fornecer insumos agrícolas para a estatal venezuelana no valor de US$ 320 milhões. Cabia à empresa brasileira comprar máquinas no mercado doméstico, exportar para a Venezuela. Em Caracas, quem recebia a mercadoria e a repassava para a estatal era a Tracto América.

As investigações revelaram que o dono da América Trading era sócio oculto da Tracto América, em Caracas. Com detalhes de pagamentos, a cooperação entre Brasil e Suíça começou em setembro de 2017, quando a Procuradoria da República no Rio Grande do Sul pediu ajuda aos suíços.

Documentos do Tribunal Penal Federal (TPF) da Suíça mostram que, entre 2011 e 2012, mais de R$ 80 milhões foram distribuídos de forma ilegal em contas no exterior. Mas, até o ano passado, no momento da operação, não se sabia qual o destino dos recursos. Agora, os investigadores conseguiram ligar parte dos recursos a funcionários de alto escalão da PDVSA Agrícola.

“A investigação revelou um sofisticado sistema de fraude ligado à exportação de máquinas e produtos agrícolas superfaturados vendidos à estatal venezuelana, implementados por transações bancárias complexas com o objetivo de ocultar a origem e o destino dos valores ilícitos”, apontou o TPF.

Em outubro de 2017, as contas bloqueadas na Suíça tinham R$ 11,1 milhões. Elas estavam em nome de um operador da PDVSA, com base em São Paulo. Por estar sob investigação, os suíços mantêm seu nome em sigilo. Uma segunda conta, em nome do mesmo operador, revelou novas transferências entre maio de 2013 e fevereiro de 2016, quando foi encerrada.

Os investigadores também concluíram que o dinheiro que chegou não ficou na Suíça. Eles identificaram pelo menos quatro empresas offshore que estavam recebendo depósitos. Todas essas empresas são ligadas à cúpula chavista da PDVSA. A suspeita é a de que o dinheiro era dividido entre o operador no Brasil, a empresa exportadora que ganhou os contratos e os funcionários de alto escalão da PDVSA Agrícola.

Além de bloquear as contas, o TPF informou que o Ministério Público da Suíça “pediu a um banco em Genebra que transmitisse a documentação em relação à empresa”. O objetivo era enviar os extratos para que os procuradores brasileiros pudessem aprofundar a investigação e determinar quem recebeu os recursos. Em 22 de junho, porém, os suspeitos entraram com um recurso na Justiça suíça para impedir que os dados fossem compartilhados.

A América Trading foi procurada, mas não atendeu às ligações da reportagem. O site da empresa, com sede em Passo Fundo, está fora do ar. A PDVSA também não respondeu aos pedidos de comentário.